Quero montar uma pousada!

Mais uma vez, me deparei com uma pessoa que disse: “Quero montar uma pousada!”. Durante todos estes anos, trabalhando com empreendedores, foram vários que disseram a mesma coisa.

A primeira questão que levanto é o por quê desse tipo de negócio e a resposta é: “Ah! Porque adoro viajar!”.

Só que as pessoas esquecem que administrar uma pousada é muito diferente de você ser turista e ficar alguns dias nela. Conheço muitos donos de pousadas e o que eles menos fazem é viajar, o que mais fazem é trabalhar para o bem-estar de seus hóspedes.

Por isso, cuidado ao escolher um negócio porque você sempre gostou de algo relacionado a ele, pois negócio e diversão, às vezes, não caminham juntas.

Conheço um empreendedor que sempre gostou de cozinhar para os amigos e por ter esse hobby resolveu abrir um restaurante, primeiro porque gostava de cozinhar; segundo porque como todos elogiam sua comida, acreditava que teria muitos clientes.

Porém ao abrir o restaurante, verificou que cozinhar de forma amadora era bem diferente de ter que administrar um restaurante, pois precisava se preocupar com finanças, funcionários, compras, atendimento. E também verificou que seus potenciais clientes (amigos) não frequentavam seu restaurante, afinal agora não era mais de graça, precisava pagar.

E o que restou fazer então? Vender para alguém da área e retornar para sua área de atuação e a cozinha voltou a ser apenas um hobby.

Por isso, pense bem quando escolher um negócio, analise ganhos e perdas, pontos fortes e fracos para que você não se arrependa depois.

Administração do caixa X Crise

Li a matéria abaixo no InfoMoney e achei bastante interessante as dicas para os empresários neste começo de ano, por isso resolvi divulgar para os leitores do blog, afinal dinheiro não aceita desaforo, se não for bem utilizado ele te dá as costas e vai embora.

A crise financeira trouxe preocupações adicionais aos micro e pequenos empresários. Por exemplo, a crise de confiança, que influencia diretamente o consumo, reduzindo as vendas, está tirando o sono de muita gente.

Para driblar esse momento de instabilidade, a Fecomercio (Federação do Comércio do Estado de São Paulo) alerta aos pequenos empresários sobre os cuidados para administração do caixa. Este é o momento ideal para redimensionar os planos, a previsão de gastos e a situação financeira das empresas.
Antecipe pontos críticos
Segundo a Fecomercio, o empresário pode solucionar os pontos críticos do seu fluxo com antecedência, por meio de simulações. Como o caixa reflete todas as decisões estratégicas da empresa, ao mesmo tempo em que representa um norte para as próximas decisões do empreendedor, a Fecomercio destaca algumas medidas importantes na busca por uma gestão de caixa eficaz, que pode mudar o rumo da empresa.

Confira as dicas:

Negocie com fornecedores: procure negociar prazos alongados de pagamento, que possibilitem ao empresário ter um capital de giro maior. Renegocie contratos já assumidos, buscando sempre o alongamento de prazos. Verifique as taxas que foram negociadas e busque uma redução no momento da negociação. Para novos contratos, faça diversas cotações e compare sempre prazos e taxas;

Negocie com clientes prazos de pagamentos mais curtos: procure sempre negociar com os clientes prazos mais curtos para recebimento de parcelas. Essa redução de prazo, conjugado com o alongamento das negociações com fornecedores poderá dar fôlego à empresa no que diz respeito ao capital de giro;

Avalie a forma de remuneração do capital da empresa: para empresas que possuem capital remunerado em aplicações de mercado, é importante avaliar e comparar alternativas oferecidas, levando em conta taxas e prazos;

Melhore a reciprocidade bancária: reduza o número de bancos com quem opera a fim de evitar o pagamento duplicado de tarifas. Reduzindo o número de bancos, melhora a reciprocidade bancária e, com isso, o empresário tem maior poder de barganha para negociar redução de pacotes de tarifas com o gerente de sua agência;

Reavalie seu perfil de endividamento: reveja seu nível de endividamento, verifique as possibilidades de redução da dívida, planeje o pagamento; renegocie saldos devedores e taxas aplicadas, procurando planejar o pagamento de grandes amortizações em momentos favoráveis do fluxo de caixa e renegociando esses desembolsos quando o fluxo de caixa é desfavorável, a fim de não provocar saldos negativos que poderão levar a empresa à necessidade de contrair novas dívidas;

Reduza custos desnecessários, fixando metas de despesas: analise sempre a prioridade dos desembolsos, identificando os que são de urgência e planejando os demais para momentos mais adequados, considerando inclusive o parcelamento dos mesmos. Verifique outras possibilidades em relação ao desembolso, outras formas menos onerosas e compare o custo-benefício de cada uma delas;

Avalie o custo de seus estoques: verifique a real necessidade do nível do estoque, avalie o custo, comparando com a geração de caixa que ele proporciona, bem como sua margem de lucro. Busque alternativas, como a encomenda de mercadorias com data prevista, a fim de não deixar estoque parado mais do que o necessário ao giro do negócio;

Avalie formas de recebimento de clientes em atraso: controle o cadastro de inadimplentes. Proponha renegociações, conceda descontos a fim de recuperar créditos e gerar melhor capital para o giro dos negócios;

Analise gastos com logística e planeje operações: avalie, na negociação, o custo de entrega e de fretes, bem como formas de reduzir o preço dessa operação. Compare custos de entrega e de retirada própria. Avalie riscos de desvio de mercadorias e outros problemas que podem encarecer o custo da logística, como o seguro de mercadorias;

Verifique possíveis perdas: perda é todo valor não recebido por conta de erros na operação ou da falta de prevenção. Podem ocorrer de diversas formas, muitas vezes imperceptíveis, reduzindo o resultado final da operação;

Reavalie investimentos: com a crise, cabe a reavaliação dos planos de investimentos, identificando os que podem dar retorno e calculando o valor desse retorno, bem como seu prazo. A partir daí, decida pela sua continuidade ou interrupção. Se houver mais fatores de incerteza, mude o investimento, como o intuito de evitar uma situação maior de endividamento;

Analise a posição de seus ativos e respectivos custos: verifique o custo de manutenção dos ativos, bem como a viabilidade de venda de parte de seus ativos mais onerosos e que não indiquem retorno no curto prazo;

Reveja todos os processos operacionais: conforme o ramo de negócio, verifique todas as etapas de sua atividade, bem como seus custos. Com base nessa análise, será possível identificar quais atividades estão de acordo com o foco do negócio e, a partir disso, eliminar tarefas desnecessárias e onerosas, obtendo maior produtividade com menor custo.

Retornando…

Depois de um tempo fora do ar para recarregar as energias, prometo voltar com novos artigos, idéias e lançamentos de projetos que foram carinhosamente amadurecidos em 2008.

Este é um post apenas para desejar um 2009 de muitos desafios e conquistas, será um ano para quem tem o verdadeiro sangue empreendedor, pois no meio dessa crise, podem surgir inúmeras oportunidades para aqueles que enxergam mais longe do que os outros e que também tiverem mais sangue frio para suportar as incertezas.

Por isso, lá vai a dica para começar e ter um ano mais tranquilo: PLANEJAMENTO.

Se você já planejou seu ano, parabéns, começa 2009 muito melhor. Se você ainda não planejou, aproveite ainda esta semana que será mais calma para fazê-lo.

Pense no que você quer conquistar este ano e verifique o precisará fazer, faça um plano de ação; é hora de PARAR e PENSAR, antes de AGIR.