A falta de produtividade nas empresas

Tenho percorrido inúmeras empresas e de vários setores e ouço sobre a falta de tempo e qualidade de vida.

Por meio dos treinamentos da Triad, buscamos levar uma mudança de comportamento e uma metodologia para que as pessoas possam ser mais produtivas.

Temos um dado de pesquisa de que as pessoas trabalham em média 10 horas por dia e apresentamos nos treinamentos e vemos o quanto isso é real.

Em um dos treinamentos, um alto executivo me disse: “Podemos afirmar que ficamos na empresa em torno de 10 horas, mas não podemos afirmar que trabalhamos 10 horas (com eficiência)”. Afinal, muito tempo é gasto desnecessariamente por falta de foco e prioridades, além da procrastinação. Veja pesquisa da Triad http://www.slideshare.net/GrupoImage/epoca-triadps.

Pude constatar isso quando um funcionário de uma empresa me confidenciou que ele durante as 8 horas de seu dia, ele produz em torno de 60% do que poderia fazer e o resto dá uma “enrolada”, pois percebeu que em seu setor, as pessoas que são valorizadas são aquelas que sempre ficam além do horário de trabalho estipulado. Se você sai no horário, você é visto como descomprometido, desmotivado. Por isso, ele não produz o que pode para ficar até mais tarde e ser valorizado. Isso é chocante!

As empresas ou seus líderes não entenderam que os funcionários devem ser medidos pelo seu resultado, o que entregam e não pelo tempo que “ficam” na empresa.

Se o funcionário consegue entregar o que é necessário utilizando seu horário oficial de trabalho, ele é eficiente, pois provavelmente tem foco, planejamento e organização; consequentemente sua execução é excepcional.

Quanto se gasta com horas extras, energia, água, transporte e outras despesas por funcionários ficarem além do tempo necessário. Além do que não conseguimos medir: a falta de motivação, o nível de estresse, problemas de relacionamentos.

Apesar de se falar tanto em resultado e índices, poucas empresas sabem o que isso realmente significa.

Será que um dia os líderes e empreendedores conseguirão entender o que é medir por resultado e tomar ações utilizando os índices obtidos?

 

Ser feliz: sou empreendedora, mãe, esposa, mulher…


Aqui estou, mais uma vez em um quarto de hotel me preparando para um treinamento. Mais alguns dias fora de casa deixando marido, filha e minhas “coisinhas”.

Muitas mulheres me perguntam como eu tenho coragem de fazer isso, se eu não sinto culpa por “largar” minha família. Muitos homens me olham com reprovação e só faltam falar: “mulher minha não faria isso!”.

Em compensação, muitos admiram a minha forma de ser, respeitam e aceitam minha opção.

Sou uma pessoa feliz, pois faço coisas me fazem feliz. Optei em ser uma empreendedora, ter meu próprio negócio, trabalhar com treinamento que sempre amei. Apesar de não ser fácil, é muito prazeiroso.

Quis constituir uma família, casei com um homem maravilhoso, parceiro em todas as horas e tivemos uma filha linda e saudável. Temos momentos simples, porém maravilhosos juntos quando estou em casa: um café da manhã, um almoço, um jantar, assistimos filmes e comemos pipocas, brincamos, vamos à missa, fazemos compras, lemos. Esses são nossos pequenos presentes.

Também tenho meus momentos: de leitura, de não fazer nada, de bancar a chef de cozinha, de “mulherzinha”.

Acredito que consigo ter uma vida equilibrada, pois organizo meu tempo para desempenhar esses diversos papéis e principalmente por nunca deixar de fazer o que realmente é importante para mim.

Percebo que muitas mulheres deixam de viver suas próprias vidas para viver a vida de seu marido e filhos. Porém, quando os filhos saem de casa ou o casamento acaba, ocorre um grande vazio e fica muito mais difícil encontrar seu caminho.

Minhas opções não foram feitas apenas para preencher o presente, mas elas têm tudo a ver com minha visão de futuro.

Minha filha está sendo educada para ser uma pessoa independente, que possa decidir seu futuro, que busque soluções aos invés de se lamentar pelos problemas. E tenham certeza, de que apesar de ter apenas 5 anos, já vejo em suas atitudes uma pessoa determinada e segura, por isso acredito ter feito e estar fazendo a coisa certa.

Em um treinamento, um participante me perguntou qual a expectativa que eu tinha para minha filha. Eu respondi: “Nenhuma. Só desejo que ela seja feliz como eu com o caminho que escolher.”

E você? Já escolheu seu caminho da felicidade?

 

 

Trabalhar em home office

Há quatro anos, quando decidi abrir oficialmente minha empresa de Treinamentos, avaliei se deveria alugar uma sala ou poderia trabalhar dentro de minha própria casa.

Depois de muito pensar, optei pelo home office. Afinal, meus clientes não vão onde estou, preferem que eu vá onde eles estão. Não preciso de um local visível às pessoas, pois não irão comprar os meus treinamentos por impulso.

Conversando com amigos e contando sobre histórias do meu passado profissional, lembrei que meu primeiro trabalho home office foi em 1995 (faz tanto tempo!).

Naquela época eu trabalhava na área de Benefícios de uma grande empresa e por um determinado tempo fui “emprestada” para a área de Treinamento. Era o início dos computadores com o sistema Windows e havia muito poucos na empresa e poucas pessoas que sabiam lidar com aquilo.

Como eu já tinha um 386 em casa e sabia como utilizá-lo e havia uma demanda enorme de trabalho, meu chefe pediu que eu trabalhasse em casa por alguns dias para editar umas apostilas.

Foi minha primeira experiência com home office.

Hoje, acredito que é uma excelente opção para algumas pessoas e alguns tipos de negócios, pois os custos são menores, não há o estresse do trânsito; resultando em uma maior produtividade.

Porém, deve-se ter alguns cuidados, tais como: ter disciplina em relação a horários e tarefas e separar a vida profissional da pessoal.

No início, não é uma tarefa fácil, por isso crie regras e rotinas.

Não leve seu sócio para a cama e nem seu marido para a empresa

Em 1992, comecei a namorar meu marido. Em 1997, ficamos sócios em nossa primeira empresa. Em 2003, nos casamos. Em 2011, continuamos casados, sócios e com uma filha de 5 anos.

Posso afirmar que meu marido (maravilhoso) é o melhor sócio que eu poderia ter. Somos muito diferentes em muitas coisas, porém conseguimos trabalhar nossas diferenças e alinhar nossas semelhanças em prol de nossos objetivos de vida.

Muitas pessoas me perguntam: “Como vocês conseguem? Qual o segredo?”

Não existe segredo, o que realmente existe é o RESPEITO e a CUMPLICIDADE.

Respeito pelos desejos do outro, da forma de ser, de suas crenças.

Cumplicidade em relação às nossas metas compartilhadas, a vontade de chegar ao mesmo lugar e juntos.

Em alguns momentos, discordamos na forma de ver a situação, mas isso não nos impede de chegar a um consenso (que nem sempre é fácil, mas é possível).

Acredito que depois de tanto tempo posso dar algumas dicas para quem deseja se tornar sócio de seu marido ou esposa:

1. Se vocês não souberem separar assuntos pessoais dos profissionais, não façam essa sociedade.

2. Definam claramente os papéis de cada um na empresa.

3. Nunca discutam na frente dos funcionários.

4. Estabeleçam as metas pessoais, as metas do casal/ família e as metas da empresa.

5. É importante, cada um ter suas metas pessoais e/ou atividades para que cada um mantenha sua individualidade e seu tempo.

6. As metas precisam ser acompanhadas de um planejamento para que vocês tenham algo para seguir.

7. Respeitem os desejos do outro, sua forma de ser.

8. Conversem sempre, o diálogo e a transparência são as melhores coisas.

9. Assuntos profissionais devem ser tratados na empresa, assuntos particulares deixem para tratar apenas em casa. É claro que os assuntos acabam se misturando muitas vezes, mas aqueles que são polêmicos tratem apenas no local adequado.

Enfim, se você quiser continuar casada(o) e com seu marido/ esposa como sócia(o), lembre-se sempre: “Não leve seu sócio(a) para a cama e nem seu marido/esposa para a empresa”.

Boa sorte!

 

 

 

Negócios na área de alimentação sempre dão dinheiro…

É muito engraçada a percepção das pessoas que não possuem negócios em “achar” sobre os negócios alheios.

Quando as pessoas descobrem que sou especialista em abertura e gestão de empresas, sempre me fazem algumas perguntas:

1. “O que é que dá dinheiro?” – Sinceramente, se eu soubesse com exatidão, teria acertado os seis números da Megasena.

2. “O que eu posso montar sem risco de perder dinheiro?” – Não existe negócio sem risco e se você tem medo dele, ser empreendedor não é para você.

3. “Negócios na área de alimentação sempre dão dinheiro!” – Será??

Qualquer negócio pode ser bom e qualquer negócio pode ser ruim. São vários os fatores que levam ao sucesso ou ao fracasso de um negócio. Podemos dizer que alguns deles são:

  • Falta de um plano financeiro (impostos, capital de giro, administração de fluxo de caixa)
  • Falta de um plano de negócio
  • Falta de índices para monitoramento do negócio
  • Falta de mão-de-obra ou seleção e recrutamento inadequados
  • Sócios inadequados
  • Problemas familiares
  • Os clientes não aceitam tão bem o produto
  • Surge um forte concorrente
  • Um funcionário-chave pede demissão
  • Uma máquina quebra e outros

E porque tudo isso acontece? Pela total falta de planejamento do empresário.

Quando falamos em negócios na área de alimentação (docerias, restaurantes, lanchonetes, buffets, pizzarias, padarias etc.) podemos afirmar que há um crescimento exponencial nessa área por falta de tempo das pessoas, pelo aumento na renda do brasileiro, por comodidade.

Então é uma área que dá dinheiro? Se for bem planejado sim, se você encontrar seu foco bem definido de atuação, seu diferencial competitivo e hoje, principalmente, conseguir montar bem a equipe de trabalho.

Há um “black out” na formação de mão-de-obra especializada em alimentação, desde o ajudante de cozinha até um gerente para administrar o empreendimento. O mercado está louco para contratar e não se encontra pessoas para ocupar as funções.

É um mercado que tende a aumentar ainda mais com a Copa e as Olimpíadas, mas se não houver preparo, será muito complicado.

Ter um restaurante ou doceria ou até produzir em casa não é simples, não adianta apenas gostar de cozinhar. Uma coisa é você produzir um jantar ou um aniversário para a família. Uma outra coisa, é você viver disso.

Existirão pessoas que quando era de graça, adoravam seus pratos; mas se tiver que pagar, elas sumirão. Tenho uma amiga que tem um buffet e me contou que uma prima contrata um concorrente só para não ter que “dar dinheiro” a ela. Pode?

Além disso, pode ser que você goste de cozinhar e isso é o que você se vê fazendo a longo prazo, um sonho; mas você sabe como administrar o negócio? Ou você tem quem fará isso por você?

A palavra de ordem é PREPARO para que você que não entre em uma fria!

Não espere chegar aos 90 para descobrir isso…

Recebo vários e-mails com mensagens e textos motivacionais e na verdade, deleto 99% sem ao menos dar uma olhadinha. Porém, algo me fez parar e abrir o e-mail que a Eliane Elvas enviou para mim, talvez seja porque tudo o que ela me manda seja interessante e/ ou importante.

Li o texto abaixo e achei muito bacana, ainda mais por tratar de coisas de tenho escrito no blog ou se não escrevi, acho que escreverei com maior profundidade. Agora, os deixo para se deliciarem com as palavras simples e diretas de Regina Brett.

Escrito por Regina Brett, 90 anos de idade, que assina uma coluna no The Plain Dealer, Cleveland, Ohio

“Para celebrar o meu envelhecimento, certo dia eu escrevi as 45 lições que a vida me ensinou. É a coluna mais solicitada que eu já escrevi.”
Meu hodômetro passou dos 90 em agosto, portanto  aqui vai a coluna mais uma vez:

1. A vida não é justa, mas ainda é boa.
2. Quando estiver em dúvida, dê somente o próximo passo, pequeno.
3. A vida é muito curta para desperdiçá-la odiando alguém.
4. Seu trabalho não cuidará de você quando você ficar doente. Seus amigos e familiares cuidarão. Permaneça em contato.
5. Pague mensalmente seus cartões de crédito.
6. Você não tem que ganhar todas as vezes. Concorde em discordar.
7. Chore com alguém. Cura melhor do que chorar sozinho.
8. É bom ficar bravo com Deus. Ele pode suportar isso.
9. Economize para a aposentadoria começando com seu primeiro salário.
10. Quanto a chocolate, é inútil resistir.
11. Faça as pazes com seu passado, assim ele não atrapalha o presente.
12. É bom deixar suas crianças verem que você chora.
13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que é a jornada deles.
14. Se um relacionamento tiver que ser um segredo, você não deveria entrar nele.
15. Tudo pode mudar num piscar de olhos. Mas não se preocupe; Deus nunca pisca.
16. Respire fundo. Isso acalma a mente.
17. Livre-se de qualquer coisa que não seja útil, bonito ou alegre.
18. Qualquer coisa que não o matar o tornará realmente mais forte.
19. Nunca é muito tarde para ter uma infância feliz. Mas a segunda vez é por sua conta e ninguém mais.
20. Quando se trata do que você ama na vida, não aceite um não como resposta.
21. Acenda as velas, use os lençóis bonitos, use roupa chic.  Não guarde isto para uma ocasião especial. Hoje é especial.
22. Prepare-se mais do que o necessário, depois siga com o fluxo.
23. Seja excêntrico agora. Não espere pela velhice para vestir  roxo.
24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.
25. Ninguém mais é responsável pela sua felicidade, somente você..
26. Enquadre todos os assim chamados “desastres” com estas palavras ‘Em cinco anos, isto importará?’
27. Sempre escolha a vida.
28. Perdoe tudo de todo mundo.
29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.
30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo ao tempo..
31. Não importa quão boa ou ruim é uma situação, ela mudará.
32. Não se leve muito a sério. Ninguém faz isso.
33. Acredite em milagres.
34. Deus ama você porque ele é Deus, não por causa de qualquer coisa que você fez ou não fez.
35. Não faça auditoria na vida. Destaque-se e aproveite-a ao máximo agora.
36. Envelhecer ganha da alternativa — morrer jovem.
37. Suas crianças têm apenas uma infância.
38. Tudo que verdadeiramente importa no final é que você amou.
39. Saia de casa todos os dias. Os milagres estão esperando em todos os lugares.
40. Se todos nós colocássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos todos os outros como eles são, nós pegaríamos  nossos mesmos problemas de volta.
41. A inveja é uma perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.
42. O melhor ainda está por vir.
43. Não importa como você se sente, levante-se, vista-se bem e apareça.
44. Produza!
45. A vida não está amarrada com um laço, mas ainda é um presente.

A importância do significado, do método e da disciplina

Há dez anos, ministro treinamentos comportamentais e sempre me deparei com pessoas que dizem ser muito difícil alcançar suas metas. E por que acontece isso?

Primeiro, a falta de um significado na vida das pessoas que dará o motivo real do porque deseja alcançar determinada meta.

Quando questiono as pessoas sobre o que REALMENTE desejam para suas vidas? Surge, normalmente, um grande hiato. Ou nunca pensarem sobre isso ou  percebo que alguns dão respostas automáticas, como se fosse apenas para atender aos meus questionamentos ou para mostrar às outras pessoas que possuem uma resposta.

Na maioria das vezes, não sinto nenhuma emoção na fala das pessoas, nenhum brilho nos olhos, percebo apenas um grande vazio por não ter verdadeiramente encontrado uma meta com significado.

É fácil dizer que quer uma casa, um carro, uma viagem, um curso, ser voluntário, ganhar mais dinheiro, ter mais tempo livre. O difícil é encontrar o real significado para obter isso.

Sem esse significado, mesmo tendo um excelente método, a disciplina não acontece. Quer um exemplo? Meta de emagrecimento.

Hoje em dia, é muito comum as pessoas dizerem que desejam emagrecer tantos quilos e conscientemente, sabem que será bom para sua saúde ter um peso adequado, sabem que precisam fazer uma dieta equilibrada, sabem que é necessário faze atividades físicas, porém saber não é “fazer”.

Elaboram uma rotina para emagrecer, começam na segunda e desistem na sexta, dando várias desculpas por não conseguir.

E a grande verdade é que as pessoas não encontraram o “real” motivo para emagrecer. Muitas apenas encontram esse motivo quando depois de um mal súbito vão ao médico e este diz: “se você não emagrecer, você não vai durar muito!”

Nesse momento, alguém deu o significado à pessoa que assume como seu, aí define um método e a disciplina surge, afinal quem quer morrer?

Uma participante de um dos treinamentos me disse que para muitas mulheres o significado encontrado para emagrecer vem do casamento, pois precisa entrar de qualquer jeito no vestido encomendado (e normalmente é um número menor). A noiva define o método e tem disciplina porque se vê no dia do casamento linda e maravilhosa no vestido. E depois do casamento?

Muitas perdem o significado e não encontram outro, então bye-bye disciplina!

Por isso, quando trabalho metas, sempre questiono em relação ao significado, pois se não for forte o suficiente, nenhum passo será dado.

E você? Vai ficar esperando a vida te trazer algo ou vai em busca do que realmente deseja com significado?