Filme: De Pernas pro Ar

Faz tempo que eu queria assistir a esse filme e assim o fiz neste final de semana e achei hilário, principalmente por retratar o cotidiano de muitas pessoas neste mundo workaholic que vivemos.

Alice (Ingrid Guimarães) é uma executiva em ascensão casada e com um filho. Possui três celulares, no táxi liga seu notebook e mal olha na cara das pessoas por estar sempre preocupada com documentos e projetos.

Seu superior a informa que fará indicação de seu nome para Gerente de Marketing e se ela está disposta a encarar o desafio porque não será fácil, três ex-gerentes perderam seus casamentos por causa disso e ela diz que ela aceitará, afinal seu marido dá todo o apoio para tudo. E que no dia seguinte, fará uma excelente apresentação para os investidores.

Porém, ao chegar em casa, seu marido deixa um recado na secretária eletrônica pedindo um tempo para que ela repense seu relacionamento porque ela só pensa no trabalho.

Isso faz com que ela fique totalmente desequilibrada, meta os pés pelas mãos na reunião com os investidores e acaba perdendo o emprego.

Nesse dia, acaba conhecendo sua vizinha Marcela (Maria Paula) que é dona de um sexshop e ao conhecer esse mundo e se redescobrir, acaba se tornando sócia da empresa e transformando em uma potência.

Porém, ao ganhar um prêmio de Empresária do Ano (que sempre desejou), percebe que sem sua família, aquilo não representa nada, pois com quem compartilhar sua realização?

Bem… assistir ao filme é muito melhor, mas eu trouxe alguns pontos para poder fazer uma analogia com nosso mundo empresarial.

Quantas pessoas que conheço se dedicam extremamente ao trabalho e a desculpa sempre é: “Quero dar mais conforto e mais estabilidade para minha família por isso preciso trabalhar bastante.”

Porém, por se dedicarem tanto esquecem que não é apenas material que a família precisa, mas atenção, carinho.

No filme, tem uma passagem que Alice ao reencontrar o marido, percebe como ele é bonito e simpático; e com o passar do tempo, ela nem mais se lembrava dele.

Será que verdadeiramente olhamos para as pessoas que estão à nossa volta? Sabemos que eles gostam, conversamos sobre o que fazem e o que desejam?

Conhecemos inúmeros casos de pessoas que se tornam empresários e grandes executivos e quando chegam em sua aposentadoria, estão sozinhos porque não alimentaram seus relacionamentos ao longo dos anos.

As pessoas não vão ficar nos esperando para curtir nossa presença quando estivermos mais tranquilos no futuro distante, elas querem nos ter agora e se elas não nos têm agora, com certeza, procurarão seus próprios caminhos.

As pessoas não querem esperar a felicidade no futuro, mas sim, serem felizes hoje. E essa felicidade não significa carros maravilhosos, casas espetaculares, viagens magníficas; mas assistir a um jogo de futebol do filho, ensinar sua filha andar de bicicleta, assistir a um filme com a esposa/ marido, passear de mãos dadas no parque. Simples assim!

Tudo precisa ter um equilíbrio, trabalhar é necessário, mas manter nossos relacionamentos de forma saudável também. Afinal, com quem você quer estar no futuro?

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s