Filmes que vão te ajudar na organização financeira

Mais um post do blog parceiro TeuControle.

Amanhã tem feriado (12/10/2016) que tal assistir a esses filmes e dedicar um tempo para arrumar as suas finanças?

Depois de organizar as finanças acesse TeuControle.com e deixe tudo planejado.

Entender suas finanças te dá clareza de como está utilizando o seu dinheiro e você foge da indecisão entre realizar um sonho ou viver fazendo manobras para fechar o mês no azul.

No dia 19/09/2016 apresentamos 03 filmes no nosso blog para você se inspirar:

http://teucontrole.blog.br/2016/09/19/03-filmes-para-inspirar-voce-a-se-planejar-financeiramente/

Agora estamos apresentando mais 03 filmes:

margin-call-o-dia-antes-do-fim

Margin Call: o dia antes do fim

Peter Sullivan (Zachary Quinto), Seth Bregman (Penn Badgley) e Will Emerson (Paul Bettany) trabalham no setor de riscos em uma corretora que está realizando uma série de demissões. Cerca de 80% do setor em que trabalham foi demitido, entre eles o chefe do trio, Eric Dale (Stanley Tucci). Ao pegar o elevador Eric entrega a Peter um pen drive que contém algo em que estava trabalhando no momento. O alerta para que tomasse cuidado com o conteúdo chama a atenção de Peter, que fica após o horário de trabalho para dar uma olhada no arquivo. Logo ele descobre que se trata de uma análise da volatilidade da empresa, que indica que há duas semanas ela ultrapassou e muito o limite de risco o qual pode correr. Desta forma a empresa está prestes a falir, o que provoca uma reunião de emergência com diversos setores da empresa, entre eles seu dono, o acionista John Tuld (Jeremy Irons).

o-homem-que-mudou-o-jogo

O homem que mudou o jogo

O Homem que Mudou o Jogo é um grande filme. Conta com uma ótima direção de fotografia e uma edição de som centrada nos diálogos. Indicado a seis categorias no Oscar, incluindo Melhor Filme e Melhor Ator, o longa deve ser conferido. E não tenha medo, não é um filme sobre baseball.

A grande força de Moneyball (no original) está no roteiro escrito a quatro mãos por Steven Zaillian e Aaron Sorkin. É difícil saber quem escreveu o quê, mas é nítida a presença da escrita de Sorkin na produção. Assim como A Rede Social, que lhe rendeu o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado, o novo longa é centrado nos diálogos. O que importa aqui são as conversas entre os personagens, como fica claro no momento em que Brad Pitt tenta fazer um grande discurso, mas é mal sucedido. É praticamente uma alfinetada em todas as produções que trazem grandes e motivadoras falas antes dos jogos finais.

capitalismo_uma_historia_de_amor

Capitalismo: uma história de amor

Michael Moore apresenta uma análise de como o capitalismo corrompeu os ideais de liberdade previstos na Constituição dos Estados Unidos, visando gerar lucros cada vez maiores para um grupo seleto da sociedade, enquanto que a maioria perde cada vez mais direitos.

A obra ainda promove intensos questionamentos acerca das influências das empresas na vida dos americanos e, consequentemente, no restante do mundo.

Bom, fica nossa dica para este feriado. Depois de escolher o filme que deseja assistir, comece a colocar em prática uma organização financeira. Utilize o Teuontrole.com como ferramenta para ter uma independência financeira, afinal, para saber quanto você pode gastar ou investir, basta seguir nosso lema “é você, no controle das suas finanças”.

Se gostou compartilhe e até o próximo post.

Equipe TeuControle.com

Anúncios

Filmes para inspirar você a se planejar financeiramente…

slide1

Mais uma série de filmes para nos inspirar em querer fazer um planejamento financeiro.

Acesse o blog Teucontrole e descubra como esses filmes podem motivá-lo a querer começar a administrar melhor suas finanças.

Abraços e até o próximo post…

Fábrica de Empreendedores

Filme: “O Sabor de uma Paixão” – persistência e comprometimento

A princípio parece ser um romance bobinho, mas algumas situações me chamaram atenção.

O filme é sobre Abby, uma americana que vai para o Japão para encontrar seu namorado que a deixa e sozinha, se sente perdida.

Até que ela entra em um restaurante que serve o Lamen e ela percebe como ele proporciona um sentimento mágico em seus consumidores. Decide então que será uma chefe especializada no prato e pede para o dono do restaurante ser seu professor.

Os dois não se entendem, principalmente, por causa do idioma, mas a comida não tem barreiras e permite que haja uma ligação muito forte entre os dois.

Abby passa por um duro treinamento, pois seu professor não é nada fácil. Tem que lavar banheiro, grandes panelas, limpar o restaurante, servir, acordar cedo e dormir tarde, mas nada a faz desistir, pois tem um objetivo muito claro.

Em um momento, ela diz que seu pai sempre disse que ela nunca consegue terminar algo, mas seria diferente dessa vez porque ela queria muito se tornar uma especialista em lamen e faria de tudo para conseguir.

No meio da estória, Abby conhece um executivo japonês (cujo sonho era ser músico) e se apaixona. Quando parece que está indo tudo bem entre eles, ela recebe a notícia de que ele terá que ir para Taiwan, a empresa o transferiu. Ela pede para ele ficar, para largar tudo e ir atrás de seu sonho, mas ele diz que é japonês e o certo é ele seguir às regras. Ele pede que ela vá com ele, mas ela diz que não pode porque está indo atrás de seu sonho.

O dono do restaurante a ensina a preparar o lamen, mas ela faz várias vezes e ele joga tudo fora por achar horrível. Até que ele leva Abby para conhecer sua mãe  para que ela prepare o lamen para ela experimentar. Ele explica que Abby tem a técnica muito apurada, mas o prato não tem gosto.

A mãe do professor diz para Abby que ela tem que por sentimento no que faz, quando fazemos dessa forma, tudo fica saboroso, não é só técnica e aí Abby entende quando várias vezes seu professor falava que ela tinha que fazer com a alma, com amor.

Abby foi preparar o lamen e dessa vez, foi especial, conseguiu atingir o que desejava. As pessoas sentiram a mágica do prato.

Qual a analogia que faço desse filme com o mundo empreendedor?

Muitos empresários desistem de muitas coisas no decorrer do tempo, pois ainda não encontraram um verdadeiro motivo para seguir em frente; algo que realmente desperte algo intenso em si.

Quando realmente encontram um grande desafio, passam por situações duras, nem sempre agradáveis, mas nada disso os abalam, pois sabem porque precisam passar por isso. Continuam a ser persistentes.

Abby mostrou comprometimento com ela mesma, com seu sonho; mesmo sacrificando um grande amor. Se os empreendedores não tiverem primeiro, esse comprometimento consigo mesmo, não conseguirão se comprometer com qualquer outra pessoa.

E por último, mas talvez o mais importante, quando decidimos empreender devemos fazer com amor, com dedicação. Os clientes percebem quando gostamos do que fazemos, nossos parceiros se dedicam mais a nós. Afinal, o amor contagia.

Mas nunca esquecendo que as técnicas de gestão são importantíssimas para mantermos os pés no chão.

Filme: “Invictus” – visão e planejamento de Mandela

Primeiro, não tenho nem o que falar desses dois atores: Morgan Freeman e Matt Damon, talentosíssimos e brilhantes como sempre.

Filme que se passa na África do Sul, após a eleição de Nelson Mandela ainda com vários conflitos entre negros e brancos, mas com o sonho de Mandela de transformar o país destroçado em uma nação arco-íris unindo as pessoas de todas as tribos, cores, classes sociais.

Ao assistir a um jogo de rugby, percebe que pode utilizar o esporte para unir seu povo. Porém, o time do país, o Springboks está totalmente desacreditado pelos torcedores, pois não consegue vencer as partidas. Os brancos torcem para o time, os negros torcem contra, pois para eles representa os duros anos do Apartheid.

Mandela chama o capitão do time Pienaar para ajudá-lo na empreitada e para isso, ele tem que levar o time à final da Copa do Mundo de Rugby que será realizada na África do Sul. Transformar o time perdedor em campeão e fazer com que brancos e negros se unam em prol da comemoração do título.

É um filme que retrata brilhantemente a visão de futuro de Mandela e o planejamento para alcançar o resultado desejado.

A visão de Mandela é ver um país unido sem preconceito e discriminação, ele tem uma informação de que a final da Copa Mundial de Rugby atingiria quase 3 bilhões de pessoas pela televisão e aí viu uma forma de divulgar a África para o mundo e unir seu povo.

Os dirigentes negros que comandavam a pasta de esportes queriam mudar o logotipo e as cores do time por remeter à lembrança de um esporte de brancos e assim, afrontá-los.

Mandela foi contra, muitos não concordaram com sua opinião, mas o que ele desejava com este ato era mostrar que ele não era contra os brancos e queria ser um elemento pacificador, pois muitos brancos acreditaram que com sua eleição, ele faria de tudo para prejudicá-los.

Para aproximar o time dos negros buscou ajuda do capitão do time, buscando levar o rugby para perto deles utilizando de algumas estratégias, pois eles preferiam jogar futebol.

Uma das estratégias, foi utilizar Chester, o único negro do time como garoto propaganda na comunidade negra; a fim de que eles se vissem dentro do time. Assim, teriam um ídolo, um metamodelo a seguir.

Outra estratégia foi levar os jogadores do time para ensinar rugby para as crianças das comunidades negras. Isso possibilitou uma aproximação entre as pessoas. Os jogadores foram conhecer uma realidade que não conheciam e as crianças se aproximaram de algo que nunca pensaram e perceberam humanidade nas atitudes.

Mandela ia a todos os jogos possíveis para mostrar que ele era um torcedor do time. Um repórter perguntou a Mandela se era verdade que quando ele estava na prisão ele torcia contra e ele disse que sim, mas que as coisas mudam. Isto é, deixando uma mensagem clara aos sulafricanos que as coisas tinham que mudar.

À medida que o time ganhava, aumentava o número de torcedores. Mandela conseguiu fazer com que as pessoas entendessem que eles não estavam torcendo para uma cor, mas para seu país.

Os jogadores que inicialmente, achavam uma besteira aprender o novo hino nacional, perceberam que isso fortaleceria esse espírito de união que começava a ser instalado e aprenderam para cantar verdadeiramente no início do jogo.

O time desacreditado inicialmente, chegou à final e ganhou dos favoritos e Mandela conseguiu o que desejava, brancos e negros assistindo juntos aos jogos, torcendo pelo time de seu país e comemorando juntos a união.

Dizem que foi o dia mais feliz na África do Sul. Mandela com sua visão (muitas vezes incompreendida), estabeleceu estratégias, movimentou as peças certas e alcançou o resultado desejado.

Em empresas, se procede da mesma forma: o empreendedor visionário estabelece onde deseja chegar, estabelece passo a passo tudo o que deve ser feito, busca informações e utiliza pessoas-chaves para atingir seu objetivo.

Filme: “Não sei como ela consegue” e dicas para melhorar a produtividade das mulheres

Nunca tinha ouvido falar desse filme, mas foi uma das escolhas para o feriadão de Carnaval e coincidentemente minha amiga Patrícia postou no Facebook um comentário para mim, dizendo que eu conseguia e se eu poderia ensinar como fazer. Disse para ela que assistiria ao filme e depois faria os comentários sobre ele.

Meu marido e eu rimos muito porque em vários momentos nos vimos no filme, é uma comédia despretensiosa que trata da vida da mulher moderna buscando equilibrar carreira, maternidade e casamento.

Kate é uma profissional que trabalha com investimentos, apaixonada pelo marido Richard e tem um casal de filhos. Várias pessoas que convivem com Kate se questionam como ela conseguem fazer tudo e daí o título do filme.

No início do filme, Kate diz que existe uma pesquisa que as mulheres depois que têm filhos não conseguem dormir a noite toda porque ficam fazendo listas das tarefas que precisam realizar.

No trabalho, para demonstrar sua competência, Kate não recusa nenhum trabalho, mesmo se sacrificando. Momo, sua assistente, fica pasma de ver Kate muitas vezes desarrumada e sempre correndo, por isso diz que nunca terá filhos e se dedicará apenas ao trabalho.

Em um determinado momento, surge a figura de um colega de trabalho de Kate que busca se mostrar não pela competência, mas utilizando de vários artifícios não convencionais. Além de tentar minar sua autoconfiança. Mas, Kate se sobressai e é solicitada para um grande trabalho.

Devido a esse novo desafio, a agenda de Kate fica cada vez mais conturbada e isso acaba causando um grande conflito entre ela e seu marido. Até que um dia ela consegue falar um “não” para seu chefe, pois percebe que um emprego ela poderia encontrar em qualquer outro lugar, mas sua família era única. Mas, Kate, finalmente, consegue conciliar sua carreira e família!

Assistam ao filme, vale a pena!

Agora, para atender à Patrícia, eu não vou “ensinar”, mas darei algumas dicas de como eu lido com os diversos papéis que possuo no meu dia-a-dia para torná-lo mais produtivo e equilibrado. Quem sabe posso ajudar as várias mulheres “malabaristas” do mundo moderno!

PAPEL 1 – PROFISSIONAL

Como possuo uma empresa de treinamento, tenho uma vida bastante agitada em alguns períodos e em outros nem tanto. Enfim, não tenho uma rotina muito bem definida.

  • Reuniões – procuro fazer via Skype se possível, evitando deslocamentos. Se não puder ser virtual, procuro marcar em horários de fluxo menor de carros. Muitas vezes, prefiro utilizar metrô e táxi, pois consigo otimizar algumas atividades.
  • Comunicação – prefiro utilizar o e-mail ou o Facebook ao invés de telefone ou celular. Para mim, é mais dinâmico. Ligação telefônica só se for urgente.
  • Delegação – se eu estiver muito ocupada, verifico se meu sócio pode realizar algumas atividades para agilizar os trabalhos.
  • Eventos/ feiras/ congressos – verifico o quanto isso irá me agregar, ir por ir apenas para agradar alguém, sem chance. Se tiver algum tipo de aprendizado, oportunidade e networking, aí vale a pena.
  • Roupas básicas e clássicas – prefiro peças que combinem facilmente umas com as outras e que não saiam de moda. Assim como os sapatos.
  • Hotel – procuro reservar com bastante antecedência para não me estressar com a falta de vagas e preços elevados. Gosto de me hospedar nos hotéis Ibis ou Mercure porque já sei exatamente o que encontrarei e consigo pontos no programa fidelidade.
  • Dizer NÃO – se o trabalho estiver fora do escopo da minha atuação, clientes problemáticos, preço fora do que considero justo; digo “não” sem sombra de dúvidas para não perder tempo e depois me arrepender.
  • Horários – me programo para sair com bastante antecedência para qualquer compromisso. Afinal, sou consultora da Triad que é especializada em gestão de tempo e produtividade, chegar atrasada depõe contra tudo o que prego.
  • Aeroportos e rodoviárias – aproveito o tempo que preciso esperar para pegar o voo ou o ônibus para ler, escrever, estudar, planejar.
  • Trabalhar em home-office – isso é uma libertação, porém exige disciplina de todos da casa. Uma vez, li uma entrevista do Gustavo Cerbasi que dizia que não tinha escritório e tinha apenas uma assistente (eu acho que era virtual). Aí, fiquei pensando se uma pessoa famosa e reconhecida como o Cerbasi trabalhava em casa por que “eu” tinha que ter um escritório? Só para falar que tinha? Meus clientes nunca vieram até mim, sou eu que vou até eles. Trabalhar em casa me dá liberdade de utilizar a roupa que desejo, ter tempo para cuidar da minha família e da minha casa, me programar melhor. Isso é qualidade de vida!

PAPEL 2 – MÃE

A Samara tem 6 anos e é uma menina alegre e super independente. Nunca me senti culpada em deixá-la para cumprir meus compromissos profissionais. Sempre parto com alegria, por isso quando volto ela sempre pergunta empolgada: “Como foi lá? Foi tudo bem? Deu tudo certo?” Ela entende que é importante para mim o que faço assim como vibro com tudo o que ela faz. Torcemos uma pela outra!

Apesar da vida maluca, consegui sempre estar presente em seus primeiros desafios: o primeiro corte de cabelo, o primeiro dente a cair, suas primeiras palavras, seu primeiro espetáculo na escola, seu primeiro dia de aula e tudo isso, é imperdível!

  • Babá – nunca tive babá para cuidar da Samara. Quando estamos em casa, meu marido e eu cuidamos de tudo o que ela precisa; fazemos questão de levá-la e buscá-la na escola. Faço seu almoço, cuido de sua roupa e de suas lições da escola. Quando precisamos, temos ajuda dos meus pais ou dos pais do Samuel para nos dar assistência.
  • Passeios e viagens – fazemos questão de planejarmos a viagem ou passeio com foco nas preferências da Samara para que ela curta e nós não nos estressamos.
  • Refeições – isso é algo que não abrimos mão quando estamos em casa. Fazemos as refeições juntos e sentados à mesa, pois é o momento de conversarmos e sabermos sobre o dia de cada um de nós.
  • Atividades em casa – assistimos a filmes que Samara gosta, brincamos com jogos de tabuleiro. Enquanto eu prefiro ler e contar estórias, Samuel gosta de desenhar com ela.
  • Momento despertar – se estou em casa, Samara acorda e me chama para o ritual: ela se esconde nas cobertas, deito em cima dela fingindo que não a vi até ela começar a se mexer, eu tiro as cobertas levando um susto. Aí ela pede colinho e fica no chamego por uns 15 minutos até ela resolver se levantar.
  • Saúde – programo todas as vacinas e retornos médicos. E como ela diz que será médica, não reclama de nada.

PAPEL 3 – ESPOSA

Meu marido é um tesouro, sem ele com certeza eu não daria conta de fazer tudo o que eu faço, pois ele me ajuda muito em tudo: cuida da Samara, da casa, da empresa e por isso também tenho que cuidar dele.

Uma vez, viajamos tanto a trabalho que não conseguíamos nos encontrar. Marcamos um jantar em São Paulo pelo menos para um bate-papo. Aí eu fui para um hotel e ele foi para outro do outro lado da cidade porque tínhamos treinamento no dia seguinte em locais diferentes.

  • Nossos momentos – a Samara é tão independente que muitas vezes ela “foge” de casa; se manda para a casa dos avós e nem dá “tchau”; então, são momentos que aproveitamos para assistir a um filme, jantar, conversar (mais) e namorar.
  • Saúde – fico atenta às suas consultas médicas, se não ele foge.

PAPEL 4 – DONA DE CASA

Muitas das coisas que consigo fazer em outros papéis acontecem porque consigo ter produtividade nas atividades chatas que precisamos fazer em casa. Meu senso prático ou por não gostar de fazer determinadas atividades, faz com que eu procure formas mais fáceis de realizá-las.

  • Casa ideal – Meu marido gostaria de aumentar nossa casa, mas eu não curto muito a ideia, por quê? Só temos uma filha e a princípio, ficaremos apenas com ela. Daqui a algum tempo, provavelmente, ela deverá estudar fora ou passará muito tempo fora de casa. Então para que uma casa enorme para ficar apenas eu e ele? Só vai dar trabalho para nada. Além disso, pelo tamanho da casa eu não preciso ficar me preocupando em ter empregada todos os dias, me estressando para encontrar uma de confiança e comprometida. Se minha faxineira resolve não vir, tudo bem, por aqui tudo é tão prático que em pouco tempo eu dou conta com a ajuda do meu marido.
  • Escolher bem os eletrodomésticos – minha melhor aquisição até hoje foi uma máquina de lavar de 15 kg. Faz muito mais em menos tempo. O freezer também é algo imprescindível para mim, gosto de preparar pratos em grande quantidade e aí congelo para os momentos que preciso. O fogão de 6 bocas também me permite cozinhar um monte de coisas ao mesmo tempo e o forno por ser grande, asso bastante coisa em uma tacada só.
  • A torneira elétrica – poupa um trabalho enorme na hora de lavar louça com gordura. Fica tudo limpinho com menos esforço.
  • Decoração – nada de enfeitinhos e tapetes, para limpar é um horror, então aboli tudo.
  • Quarto da Samara – caixas organizadoras são bem bacanas para colocar os brinquedos das crianças. Periodicamente, verificamos com a Samara quais brinquedos ela vai doar para liberar espaço para as coisas que ela mais gosta. Ela verificou ao arrumar o quarto dela o quanto isso dá trabalho, então tem conseguido organizá-lo do seu jeito, mas já é um bom começo para uma criança de 6 anos. Coisas dela ficam em seu quarto e em nenhum outro cômodo da casa.
  • Pedir ajuda ao marido – tem muita mulher que reclama que o marido não faz nada, mas também não pede ou “acha” que ele não conseguirá fazer tão bem quanto ela. Às vezes, não faz mesmo, mas por que é preciso tanta perfeição? Ou, se está fazendo errado, ensina. Samuel me ajuda muito e aprendeu depois que casou, a única coisa que ele se nega a aprender é passar roupa, mas isso eu nem recrimino, pois eu também odeio, só se for extremamente necessário. Isso eu deixo para minha faxineira.
  • Cozinhar – eu adoro preparar pratos bacanas, mas não dá para fazer isso todos os dias. Então, por isso determinados pratos, já faço bastante para congelar ou pelo menos quantidade suficiente para duas refeições. Já ganho tempo! O Samuel também gosta de cozinhas, mas depois de pronto ele deixa tudo limpinho!
  • Documentos – organizados em pastas e por tipos
  • O lema é: Se todo mundo ajudar, vamos terminar antes e nos divertir mais cedo!

PAPEL 5 – EU LTDA.

Esse é o momento dedicado a mim, onde faço coisas importantes dedicadas a minha pessoa!

  • Cabelereira e manicure – não sou vaidosa, mas preciso cuidar da minha imagem pessoal ao me apresentar para meus clientes. Mas, também posso ser produtiva nesse momento. Escolhi um corte de cabelo que não dá trabalho, um secador dá conta de mantê-lo arrumado; tintura e corte uma vez por mês e deu! Procuro pintar as unhas com tons clarinhos para mantê-los por mais tempo e se der uma lascadinha, dá para dar um jeitinho rapidinho. Minha manicure fica louca para por um tom escuro, mas só de vez em quando eu deixo!
  • Leitura – sou uma leitora voraz, adoro passear nas livrarias para verificar lançamentos. Mas, dificilmente compro algo lá, as lojas na Internet são bem mais baratas e seu achar na Estante Virtual que é um sebo virtual, é lá mesmo que eu compro!
  • Cuidados – tem o meu momento dos esfoliantes, dos cremes. Afinal, eu também sou mulherzinha!
  • Atividade física – meu marido e eu combinamos de pelo menos três vezes por semana fazer uma caminhada para sair do sedentarismo e emagrecer. Estabelecemos o horário em que nossa filha fica na recreação.
  • Saúde – agendo para marcar as consultas médicas entre janeiro e fevereiro, épocas mais tranquilas para mim.

PAPEL 6 – BLOGUEIRA

Procuro escrever o blog O Universo da Samara às segundas, quartas e sextas e o blog da Fábrica de Empreendedores às terças e quintas.

PAPEL 7 – FAMÍLIA

Procuro chamar meus pais para jantar ou almoçar comigo para que possamos conversar e conviver mais.

OUTRAS DICAS QUE SERVEM PARA QUALQUER PAPEL

1. Listinhas – eu sou a rainha das listinhas. Algumas delas, você fará uma vez e depois poderá utilizá-la em outros momentos, fazendo pequenas alterações. Faço no Word, no Neotriad (www.neotriad.com) ou no meu bloquinho de anotações que levo para qualquer lugar. Por fazê-las tanto, a Samara também faz, ela ainda não consegue escrever tudo, então ela desenha. Vou citar as listinhas que me ajudam no dia-a-dia:

  • Compras – durante a semana, anoto o que precisarei comprar no supermercado no meu bloquinho e faço as compras no sábado ou  domingo de manhã. Faço o cardápio da semana seguinte e verifico o que precisarei comprar para compô-lo.
  • Viagens – tanto a trabalho quanto a passeio, tenho minha lista para não faltar nada como medicamentos, roupas, acessórios, artigos de banho, sapatos, documentos, equipamentos.
  • Festas – tenho uma lista com atividades a serem realizadas, cardápio,  itens a serem comprados, quantidade por pessoa, louças, equipamentos, convidados. Quando faço uma festa, sempre faço um inventário para evitar faltas e sobras. Alguns itens podem ser congelados, então me antecipo para deixar tudo para fazer em cima da hora.
  • Fim de ano – lista com nomes de pessoas que preciso presentear e prováveis presentes. Faço as compras, aproximadamente, 15 a 30 dias antes do Natal.
  • Treinamentos – tudo o que deve ser realizado para que aconteça: local, materiais, coffee-break, contatos com participantes, equipamentos, filmes, profissionais envolvidos.
  • Planejamento semanal – na sexta (de preferência) ou sábado ou domingo, planejo minha semana utilizando o Neotriad (tanto para assuntos profissionais quanto pessoais). Lanço todos os meus compromissos e tarefas que preciso executar. Por exemplo: Se eu tenho uma reunião, lanço como compromisso na data marcada  e verifico tudo o que preciso fazer para essa reunião acontecer e lanço como tarefa. Depois é só executar e monitorar.

2. Tenha sempre um bloco de anotação próximo – muitas vezes, lembro de atividades ou tenho ideias no meio de uma reunião, no avião, no ônibus ou de noite. Aí, já saio anotando para não esquecer. Se você acorda muito durante a noite lembrando de um monte de coisa, anote; você perceberá que ao fazer isso, voltará a dormir com muito mais tranquilidade. Se você não fizer isso, toda hora acordará porque seu cérebro não ficará relaxado com medo de você esquecer.

3. Estabelecer as metas – isso faz com que você visualize o futuro e se planeje melhor; não perdendo tempo em situações que não agregam.

4. Fazer o que é importante para mim e para minha família – não fico a mercê do que a sociedade acha que você tem que fazer. Vamos a lugares que desejamos ir, temos o carro que podemos ter, compramos o que podemos comprar, me relaciono com quem gosta de mim pelo o que sou e não pelo o que tenho. Pouco me importa se todo mundo vai a um determinado lugar ou faz determinada atividade porque é o “must”, o que importa é agradar a nossa família.

5. Não reclamar dos problemas – focar nas soluções e tomar decisões. As pessoas perdem um tempo danado reclamando para pessoas que nunca vão resolvê-los. Então, ao invés de reclamar, pense no que pode fazer para melhorar.

6. Comprar pela internet – eu nunca tive problemas com minhas compras e já comprei quase tudo que se pode imaginar, porém sempre busco empresas conceituadas, mesmo pagando um pouco mais caro. Não preciso enfrentar trânsito, sair de casa e lojas cheias.

7. Viagens – em feriados, não viajo. Prefiro aproveitar para ir para locais onde posso desfrutar de tranquilidade, sem trânsito, sem aglomerações, sem filas. Por exemplo: no Carnaval, fomos para São Paulo, fizemos um passeio super bacana e sem estresse. Vejo um monte de gente que viaja no feriado para descansar e volta mais cansado e o pior, passa a semana toda reclamando para todas as pessoas que encontra do inferno que foi!

8. Restaurante em finais de semana – para aproveitar melhor meu dia, se resolvo almoçar fora, prefiro chegar logo na primeira hora ou melhor, abrir o restaurante. É muito mais tranquilo, não tem fila de espera, ficamos muito mais à vontade e somos melhores atendidos, pois os garçons ainda não estão de mau humor.

9. Shopping – evito os horários de maior “muvuca” para poder estacionar tranquilamente. Se vou no fim de semana, chego cedo, almoço cedo e vou para o cinema cedo. Quando o tumulto está começando, eu estou indo para minha casinha feliz e descansada.

10. Pedágio – como vamos sempre à São Paulo, decidimos colocar o Sem Parar, pois estávamos perdendo muito tempo para passar o pedágio. Uma dica, nós não pagamos nem o aparelho e nem a mensalidade porque conseguimos uma promoção do aparelho grátis pela Folha de SP e o Amex nos liberou da mensalidade. É só ficar atento às promoções que surgem por aí.

Acredito que consigo levar uma vida equilibrada por conta de três aspectos: FOCO, PLANEJAMENTO e DISCIPLINA.

Se vocês analisaram algumas ações que pratico, acabo ganhando minutos preciosos ou até horas, permitindo que eu faça muito mais coisas em menos tempo. Além disso, não economizo apenas tempo, mas também dinheiro. Vamos para um exemplo?

Quando digo que compro pela internet, economizo em tempo por não precisar sair de casa e ficar procurando nas lojas que às vezes são distantes uma das outras e o tempo de procura pelas lojas na internet é muito mais rápido. Em relação ao custo financeiro, costumo encontrar preços mais atrativos na internet e não tenho gasto de gasolina, de estacionamento e outros que acabam por vir, mesmo pagando o frete da entrega.

Sendo assim, se formos juntar tudo isso, consigo economizar TEMPO e DINHEIRO. Levar uma vida com qualidade e muito mais tranquila!

Que tal começar a planejar, hein?

Filme: De Pernas pro Ar

Faz tempo que eu queria assistir a esse filme e assim o fiz neste final de semana e achei hilário, principalmente por retratar o cotidiano de muitas pessoas neste mundo workaholic que vivemos.

Alice (Ingrid Guimarães) é uma executiva em ascensão casada e com um filho. Possui três celulares, no táxi liga seu notebook e mal olha na cara das pessoas por estar sempre preocupada com documentos e projetos.

Seu superior a informa que fará indicação de seu nome para Gerente de Marketing e se ela está disposta a encarar o desafio porque não será fácil, três ex-gerentes perderam seus casamentos por causa disso e ela diz que ela aceitará, afinal seu marido dá todo o apoio para tudo. E que no dia seguinte, fará uma excelente apresentação para os investidores.

Porém, ao chegar em casa, seu marido deixa um recado na secretária eletrônica pedindo um tempo para que ela repense seu relacionamento porque ela só pensa no trabalho.

Isso faz com que ela fique totalmente desequilibrada, meta os pés pelas mãos na reunião com os investidores e acaba perdendo o emprego.

Nesse dia, acaba conhecendo sua vizinha Marcela (Maria Paula) que é dona de um sexshop e ao conhecer esse mundo e se redescobrir, acaba se tornando sócia da empresa e transformando em uma potência.

Porém, ao ganhar um prêmio de Empresária do Ano (que sempre desejou), percebe que sem sua família, aquilo não representa nada, pois com quem compartilhar sua realização?

Bem… assistir ao filme é muito melhor, mas eu trouxe alguns pontos para poder fazer uma analogia com nosso mundo empresarial.

Quantas pessoas que conheço se dedicam extremamente ao trabalho e a desculpa sempre é: “Quero dar mais conforto e mais estabilidade para minha família por isso preciso trabalhar bastante.”

Porém, por se dedicarem tanto esquecem que não é apenas material que a família precisa, mas atenção, carinho.

No filme, tem uma passagem que Alice ao reencontrar o marido, percebe como ele é bonito e simpático; e com o passar do tempo, ela nem mais se lembrava dele.

Será que verdadeiramente olhamos para as pessoas que estão à nossa volta? Sabemos que eles gostam, conversamos sobre o que fazem e o que desejam?

Conhecemos inúmeros casos de pessoas que se tornam empresários e grandes executivos e quando chegam em sua aposentadoria, estão sozinhos porque não alimentaram seus relacionamentos ao longo dos anos.

As pessoas não vão ficar nos esperando para curtir nossa presença quando estivermos mais tranquilos no futuro distante, elas querem nos ter agora e se elas não nos têm agora, com certeza, procurarão seus próprios caminhos.

As pessoas não querem esperar a felicidade no futuro, mas sim, serem felizes hoje. E essa felicidade não significa carros maravilhosos, casas espetaculares, viagens magníficas; mas assistir a um jogo de futebol do filho, ensinar sua filha andar de bicicleta, assistir a um filme com a esposa/ marido, passear de mãos dadas no parque. Simples assim!

Tudo precisa ter um equilíbrio, trabalhar é necessário, mas manter nossos relacionamentos de forma saudável também. Afinal, com quem você quer estar no futuro?

 

Quais os seus desafios para o ano que começa?

Muita gente começará o ano a partir de agora, alguns por voltar das férias, outros por causa de um novo emprego ou negócio, ou ainda pela volta às aulas dos filhos. Enfim, não importa, em que momento seu ano comece… o importante, é ele começar.

Quais os seus desafios para o ano que começa? Não estou falando das promessas que as pessoas fazem ao pular ondinhas ou na virada do dia 31 para o dia primeiro. O que você realmente deseja fazer e principalmente, terá coragem para seguir adiante e executar as ações necessárias para alcançar suas metas ou efetuar algumas mudanças significativas em sua vida?

Resolvi escrever esse post depois de assistir no final de semana dois filmes: Megamente (que já havia assistido, mas minha filha quis rever, fiz até um post sobre ele há algum tempo https://valerianakamura.wordpress.com/2011/07/05/filme-megamente/) e  O Discurso do Rei.

Algumas coisas me chamaram a atenção (nunca consigo assistir a um filme sem fazer analogias com comportamentos e empresas), em ambos os filmes me deparo com personagens que perdem sua motivação ao viverem suas vidas para os outros e acham que não tem escolha.

Em Megamente, temos:

1. O próprio Megamente que viveu a vida toda com o objetivo de derrotar seu inimigo o Metroman e quando consegue perde sua motivação, pois tudo fica sem graça, sem desafios.

2. O Metroman que viveu sua vida para salvar o mundo das maldades do Megamente, mas um dia percebe que só cumpria o que as pessoas esperavam dele e nunca havia pensado em si mesmo.

3. Criado – o companheiro inseparável do Megamente que em uma discussão, Megamente manda que ele pare de cuidar de sua vida, Criado diz que seu único objetivo foi cuidar dele e nesse momento, se sente totalmente perdido.

E em O Discurso do Rei, vemos o futuro Rei George VI sofrendo para atender às expectativas dos outros e tendo que lidar com sua baixa autoconfiança.

Quantos personagens da vida real encontro e são tão parecidos com esses personagens de filmes?

O empresário cujo objetivo é acabar com seu concorrente e não fazer sua empresa crescer para alcançar novos desafios.

Pais extremamente protetores que não deixam seus filhos amadurecerem e vivem em função apenas deles e quando eles decidem partir e trilhar seus próprios caminhos, se sentem totalmente perdidos, pois nunca pensaram em seus desejos.

Pessoas que vivem apenas em função de outras, de atender às necessidades dos outros e pouco pensam em quais são as suas.

Profissionais competentíssimos que não se desafiam com medo do julgamento de seus superiores e pares e preferem ficar reclamando ao invés de buscar seus sonhos e realizar mudanças.

E por que isso acontece mais comumente do que imaginamos?

Napoleon Hill que escreveu a Lei do Triunfo em 1928 (clássico da literatura que recomendo) cita que o ser humano tem alguns medos: da morte, da doença, da pobreza, de perder o amor de alguém, da velhice e da crítica.

E isso continua atual, quando pergunto em meus treinamentos por que as pessoas não estabelecem suas metas, sempre me vem a resposta: “MEDO”.

E medo do quê? De não conseguir? De certo forma sim, mas principalmente, medo do que as pessoas vão falar se não conseguir, enfim, o medo de ser criticado, apontado como fracassado.

E simplesmente digo: “E daí se não conseguir? Vejo o motivo de não ter conseguido, faço uma análise, reorganizo minhas ideias e planejamento e sigo em frente se realmente for importante para mim!”

Viver uma vida para os outros e sem desafios, torna nossa vida monótona, sem tempero e perceba que até os amigos começam a se distanciar… ninguém gosta de ter alguém por perto sem um brilho nos olhos. Ou melhor, tem sim, aquelas pessoas que para se sentirem bem precisam ter pessoas que mostram que estão pior que elas.

O medo faz parte de nossa vida como proteção, mas não pode nos imobilizar.

Os personagens dos filmes tiveram medo, mas conseguiram superá-lo quando encontraram uma razão para vencer, um verdadeiro motivo que os levaram a mudar e se desafiarem, mesmo tendo a chance de perder, morrer ou perder sua credibilidade. Megamente foi o amor por Rosane, Metroman foi o encontro de sua vocação (ser músico, mesmo não sendo lá grande coisa) e o Rei George VI ao encontrar apoio de sua esposa Elizabeth e seu amigo Logue para conseguir ser o líder de seu povo e suceder seu pai brilhantemente.

Eu já sei quais os meus desafios e você? Está esperando o que para começar?