Aplicativos, você tem? Parte I

aplicativosapp

Aplicativos, você tem?

Aplicativos ou famosos apps que você encontra nas lojas da Google, Apple e Windows (entre outros), que parecem mágicos, que basta tocar no ícone e seus problemas são resolvidos.

Temos aplicativos para quase tudo ou tudo, desde um aplicativo de como dar nó em gravatas, e mais simples ainda, a aplicativos de GPS e outros mais complexos.

O sonho de muitos empreendedores é ter seu aplicativo, e que este aplicativo possa ajudar as pessoas e ainda gerar faturamento para o negócio.

Mas não é bem simples, precisa ter uma boa ideia, algo que realmente seja relevante aos possíveis usuários, inovador, por isso devemos pesquisar muito, entender sua legislação e classificação.

O número de aplicativos este ano deve ultrapassar a marca de 100 bilhões de downloads, veja link http://www.proxxima.com.br/home/mobile/2013/09/19/Download-de-aplicativos-deve-ultrapassar-marca-de-100-bilhoes-este-ano.html

Um mercado que podemos dizer que cresce exponencialmente, mas quanto tempo levamos para desenvolver um aplicativo, este link te dará uma ideia de tempo link http://mobgeek.com.br/blog/tempo-dev-app , mas lembre-se sempre que dedicação, planejamento e pesquisas são fundamentais para o sucesso do negócio.

E para começar a pensar em desenvolver algo que tal conhecer Andy Puddicombe, um ex monge budista que criou um aplicativo de meditação http://www1.folha.uol.com.br/tec/2016/03/1751579-ex-monge-budista-levanta-milhoes-de-dolares-com-aplicativo-de-meditacao.shtml

Este post será dividido em 3 partes, algumas dicas de como começar um aplicativo, tipos de aplicativos, sua legislação, pessoas envolvidas, como iniciar um projeto de aplicativo, entre outras informações.

Se você quiser contribuir, deixe suas mensagens em comentários ou nos envie um email para comercial@fabricadeempreendedores.com.br passando dicas de experiências como usuário ou desenvolvedor.

Lembre-se : “…os nossos conhecimentos são a reunião do raciocínio e experiência de numerosas mentes…” , então compartilhe.

Até o próximo post.

Fábrica de Empreendedores

Conhecimento é o recurso mais valioso e o único verdadeiramente renovável do mundo atual – Thomas L. Friedman

Recebi um link do meu amigo Galdino Iague Neto sobre esse artigo e achei super interessante em compartilhar, pois sempre fui uma defensora da busca do conhecimento, mas principalmente da boa utilização dele.

Esse artigo foi publicado na Uol em 13/03/2012 e foi escrito por Thomas L. Friedman, colunista de assuntos internacionais do New York Times desde 1995, Friedman já ganhou três vezes o prêmio Pulitzer de jornalismo. Vamos lá:

De vez em quando alguém me pergunta: “Qual é o seu país favorito, tirando os Estados Unidos?”.

Eu sempre respondo: Taiwan. “Taiwan? Por que Taiwan?”, as pessoas questionam.

Muito simples. Porque Taiwan é uma ilha pedregosa situada em um mar varrido por tufões, e que não possui recursos naturais para sustentá-la – ela teve que importar até mesmo areia e cascalho da China para construções – e, mesmo assim, esse país é dono da quarta maior reserva financeira do mundo. E isso se deve ao fato de Taiwan ter utilizado o talento, a energia e a inteligência dos seus 23 milhões de habitantes, tanto homens quanto mulheres, em vez de escavar a terra e explorar o subsolo. Eu sempre digo aos meus amigos de Taiwan: “Vocês são o povo mais sortudo do mundo. Como foi que tiveram tanta sorte? Taiwan não tem petróleo, minério de ferro, florestas, diamantes ou ouro, e possui apenas algumas pequenas reservas de carvão mineral e gás natural. Devido a isso, o país desenvolveu o hábito e a cultura de aperfeiçoar as habilidades do seu povo, e essas habilidades acabaram se revelando o recurso mais valioso e o único verdadeiramente renovável do mundo atual. Como foi que vocês tiveram tanta sorte?”.

Pelo menos essa era a minha impressão. Mas agora há uma prova disso.

Uma equipe da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) acabou de divulgar um pequeno e fascinante estudo que mostra a correlação entre o desempenho no exame Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa, na sigla em inglês) – que a cada ano avalia o nível de proficiência em matemática, ciência e leitura de alunos de 15 anos de idade de 65 países – e a renda total proveniente de recursos naturais como percentagem do produto interno bruto em cada um dos países participantes. De forma resumida, a questão é a seguinte: qual é o desempenho dos estudantes de segundo grau de um determinado país quando se leva em conta a quantidade de petróleo ou de diamantes que esse país produz?

Os resultados indicaram que há “uma relação significativamente inversa entre o dinheiro que os países obtêm com os seus recursos naturais e o conhecimento e a capacitação dos seus alunos de segundo grau”, diz Andreas Schleicher, supervisor dos exames do Pisa para a OCDE. “Esse foi o padrão global encontrado nos 65 países que participaram do último exame Pisa”. Em suma, petróleo e Pisa não se misturam (para ver os dados visite o site).

Schleicher acrescenta que, conforme diz a Bíblia, “Moisés conduziu arduamente os judeus durante 40 anos pelo deserto – apenas para levá-los para o único país do Oriente Médio que não possui petróleo. Mas Moisés pode ter, na verdade, feito a coisa certa. Atualmente Israel é uma das economias mais inovadoras, e a sua população usufrui de um padrão de vida que a maior parte dos países produtores de petróleo da região não é capaz de oferecer”.

Portanto, fique com o petróleo e me passe os livros. De acordo com Schleicher, nos últimos resultados do Pisa, Cingapura, Finlândia, Coreia do Sul, Hong Kong e Japão se destacaram por terem apresentado notas elevadas no Pisa e serem países com poucos recursos naturais, enquanto Catar e o Cazaquistão chamaram atenção por apresentarem as maiores rendas derivadas do petróleo e as notas mais baixas no Pisa.

A Arábia Saudita, Kuwait, Omã, Argélia, Bahrein, Irã e Síria apresentaram a mesma tendência em um teste similar, o Tendências em Estudos Internacionais de Matemática e Ciência (TIMSS, na sigla em inglês), enquanto que, de forma interessante, os estudantes do Líbano, da Jordânia e da Turquia – que também são países do Oriente Médio com poucos recursos naturais, se saíram melhor.

Também tiveram um desempenho ruim no Pisa os alunos de vários países ricos em recursos naturais da América Latina, como Brasil, México e Argentina. A África não foi avaliada. O Canadá, a Austrália e a Noruega, que também são países de grandes riquezas naturais, tiveram boa classificação no Pisa. Segundo Schleicher um dos principais motivos para isto é o fato de estes três países implementarem políticas no sentido de poupar e investir a arrecadação proveniente dessas reservas, em vez de simplesmente consumirem tais recursos.

Ao somarmos todas essas variáveis, os números nos dizem que se nós realmente quisermos saber qual será o desempenho de um país no século 21, não devemos nos basear nas suas reservas de petróleo nem nas suas minas de ouro, e sim na qualidade dos seus professores, no envolvimento dos pais e no entusiasmo dos alunos. “O nível de aprendizado atual na escola se constitui em um poderoso instrumento para a previsão da riqueza e dos indicadores sociais dos países no longo prazo”, explica Schleicher.

Os economistas há muito conhecem a chamada “doença holandesa”, que ocorre quando um país torna-se tão dependente da exportação de recursos naturais que o valor da sua moeda dispara e, como resultado, a sua produção industrial é destruída por uma inundação de produtos importados baratos, e as suas exportações tornam-se muito caras. O que a equipe do Pisa está revelando é uma doença similar: as sociedades que ficam viciadas nos seus recursos naturais parecem gerar pais e jovens que perdem parte dos seus instintos, hábitos e incentivos para fazer deveres de casa e aprimorar as suas habilidades.

“Por outro lado, em países que possuem poucos recursos naturais – Finlândia, Cingapura ou Japão – a educação tem grandes resultados e é valorizada, pelo menos em parte devido ao fato de a população em geral ter entendido que um país precisa basear o seu sustento nos seus conhecimentos e na sua capacitação, e que isso depende da qualidade da educação. Todos os pais e crianças nesses países sabem que a capacitação será o fator decisivo para as oportunidades na vida da criança e que nada mais poderá socorrê-las, de forma que os indivíduos constroem uma cultura inteira e um sistema educacional em torno dela”, diz Schleicher.

Ou, conforme gosta de dizer o meu amigo norte-americano de ascendência indiana K.R. Sridhar, o fundador da companhia de células de combustível Bloom Energy, situada no Vale do Silício, na Califórnia: “Quem não tem recursos naturais acabe se tornando uma fonte individual de recursos”.

É por isso que os países estrangeiros que possuem o maior número de companhias na Nasdaq são Israel, China/Hong Kong, Taiwan, Índia, Coreia do Sul e Cingapura. Nenhum deles vive dos seus recursos naturais.

Mas há também neste estudo uma mensagem importante para o mundo industrializado. Neste período econômico difícil, elevar o nosso padrão de vida atual com a transferência de dívidas financeiras ainda maiores para o futuro é uma verdadeira tentação. Na verdade, os estímulos financeiros podem ser úteis durante uma recessão prolongada, mas “a única maneira sustentável de sair desta situação é crescendo, ao proporcionarmos a uma quantidade maior de indivíduos os conhecimentos e as qualificações para que eles possam competir, colaborar e se conectar de forma a impulsionar os seus países adiante”, argumenta Schleicher.

Em suma, diz Schleicher, “o conhecimento e a capacitação tornaram-se a moeda global das economias do século 21, mas não existe nenhum banco central que imprima essa moeda. Todo mundo tem que decidir por contra própria o quanto irá imprimir”.

É verdade que é ótimo possuir petróleo, gás e diamantes; estes produtos podem comprar empregos. Mas no longo prazo eles enfraquecem a nossa sociedade, a menos que sejam utilizados para construir escolas e uma cultura de aprendizado por toda a vida. “Aquilo que o próprio indivíduo colocar por esforço próprio na sua mesa é o que vai fazer com que ele continue progredindo”, conclui Schleicher.

Filme: “Poder além da vida”

Poder Além da VidaDan Millman é um jovem ginasta, cuja especialidade são as argolas. Ousado, arrogante, popular entre as garotas, rico, enfim, acredita que pode fazer tudo o que quiser em sua vida.

Porém, algo o angustia, fazendo perder noites e noites de sono até que encontra um homem misterioso que trabalha em um posto de gasolina a quem começa a chamar de Sócrates, pois pela forma como fala, parece um filósofo.

Dan apesar de se sentir atraído pelos ensinamentos de Sócrates, não quer seguir o que lhe é solicitado até que sofre um grave acidente que muda sua vida e até pode mudar a forma como você enxerga seu dia a dia.

Será que para mudarmos nossa vida, precisamos que algo muito sério aconteça?

Esse filme faz com que possamos refletir sobre isso, enquanto está tudo bem, Dan continua a desafiar o mundo, a fazer coisas sem pensar, arrisca-se pelo simples prazer da adrenalina.

Quantos empresários fazem a mesma coisa em suas empresas? Até que acontece uma quebra ou resultados muito ruins que os fazem parar para pensar e buscarem uma mudança.

No filme, Sócrates diz para Dan que “temos muito a aprender e muito para esquecer” e o que isso tem a ver com nosso mundo empresarial?

Muitos empresários ao invés de buscarem saídas para seus problemas, ficam cada vez mais imersos neles. Nesse momento, o passado só serve para verificarmos o que podemos aprender, mas o sofrimento por ele, nada adiantará. Devemos buscar sim, o aprendizado, pois ele é eterno, ele é o futuro que nunca acabará; enquanto o passado é finito, já acabou e não retornará. Por isso, sair dos problemas é buscar novas oportunidades, soluções para seu desenvolvimento.

Sócrates também diz que “conhecimento é saber fazer e sabedoria é fazer, agir”.

Em todos os treinamentos, nas expectativas, as pessoas, normalmente, dizem que vieram buscar conhecimento, porém quando começo a aprofundar suas expectativas, o que elas querem na realidade é aprender a fazer, isto é, chegar à sabedoria.

Os empresários sempre dizem que querem conhecer sobre financeiro, marketing, gestão, pessoas, mas na realidade, eles já conhecem tudo sobre esses aspectos por meio de livros, cursos etc. O grande problema é como colocar em prática o processo de execução nas empresas e a grande dica é: experimente, coloque a mão na massa, pratique, erre, conserte, refaça e nesse momento alcançará o que tanto deseja.

Quer um exemplo simples para isto? Qualquer pessoa “sabe” fazer um bolo, é só pegar uma receita e está tudo lá anotado, porém o verdadeiro aprendizado só se dará ao “fazer” o bolo, pois só nesse momento é que você verá como é quebrar os ovos, sentir a textura da farinha misturada ao leite, como é mexer a massa para não deixar nenhum “pelotinho” de farinha, como é acender um forno, untar uma assadeira e saber quando está pronto.

Enfim, há uma grande diferença entre saber fazer e fazer.

Em uma cena do filme, Sócrates convida Dan para conhecer um lugar maravilhoso e depois de horas de caminhada chegam ao topo de uma montanha que na visão de Dan não tem nada de maravilhoso e incomum e ele começa a reclamar. Sócrates diz para ele relembrar a caminhada, o quanto ele estava motivado em chegar, como falava com empolgação mesmo com o cansaço e as dificuldades. Nesse momento, Sócrates faz uma analogia com a vida, dizendo que “a felicidade é a jornada e não o destino”.

Quando pergunto qual o maior sonho das pessoas, normalmente, elas me dizem “SER FELIZ”, como se fosse um ponto de chegada e quando faço uma outra pergunta se isto quer dizer que elas não são felizes, ficam caladas e pensativas e respondem: “é claro que não… sou feliz!”.

A felicidade, enfim, não é um ponto final, mas uma eterna viagem, as pequenas e grandes coisas que acontecem em sua vida, as surpresas, as conquistas (não importa o tamanho), os erros, as derrotas, a superação, as pessoas que você encontra em seu caminho.

Por último, Sócrates diz que existem 3 regras básicas que devemos seguir:

1. Paradoxo – a vida é um mistério

2. Humor – aprender a rir de si mesmo

3. Mudança – tudo na vida muda

E aí, que tal descobrir todo os dias o mistério da vida, rir de seus tombos, de suas piadas, de seu jeito e mudar para ter resultados melhores em sua vida?