Meta x Projeto

meta versus planejamento

O que é Meta e o que é Projeto ?

Conversando com amigos e clientes, me deparo sempre com a pergunta:

Qual a diferença entre Meta e Projeto?

Na Fábrica de Empreendedores definimos da seguinte forma:

Meta

É caminho ou o passo-a-passo para se chegar a um objetivo. É um desafio, algo que se pode realizar, uma etapa a ser atingida dentro de um objetivo, no seu topo ou em parte.

Projeto

Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Os projetos e as operações diferem, principalmente, no fato de que os projetos são temporários e exclusivos, enquanto as operações são contínuas e repetitivas. (segundo PMBOK)

E logo em seguinte vem a pergunta:

E como faço minhas Metas e os meus Projetos?

Então vamos as metodologias:

Meta

Utilizamos o modelo SMART para criar as metas, SMART é um acróstico para os termos em inglês: Specific, Measurable, Archievable, Relevant e Time-bound que em português seria eSpecifico, Mensurável, Alcançável, Relevante e Temporal, vamos entender cada uma delas, utilizaremos o exemplo de “comprar um apartamento”:

  • eSpecífico: Neste item você pode se perguntar – O quê?
    • Ex: o que quero desse apartamento, quantos quartos, tamanho do apartamento, local, quantos banheiros, vagas na garagem, sala de jantar, cozinha, ou seja, ser o mais específico possível, tão específico que você começa a visualizar o apartamento.
  • Mensurável: Neste item você pode se perguntar – Quanto?
    • Ex: aqui você começa a pesquisar na região escolhida e com suas referências quanto custa este apartamento.
  • Alcançável: Neste item você pode se perguntar – Como?
    • Ex: neste passo você começa a criar as possibilidades, é neste momento que você cria as suas tarefas, como irá fazer, criar etapas, desenhar cenários, otimizar recursos e priorizar as ações.
  • Relevante: Neste item você se pergunta – Porquê?
    • Ex: aqui neste item, é que vai ser eu motivador, porque quero esta Meta, o que pretendo, quais os benefícios que terei comprando este apartamento, o que me motiva a gerar ações para alcançar esta Meta. Enquanto não responder este item, não prossiga com a criação da Meta, esse motivo tem que ser forte, para que você não desista.
  • Temporal: Neste item você se pergunta – Quando?
    • Ex: Quando irei comprar o apartamento, com base na data de compra, você irá alinhar as suas tarefas, você precisa de um limitador para criar todo o cenário, caso não tenha, as tarefas serão feitas quando der, e provavelmente estarão fadados ao fracasso.

Projeto          

Projeto é o evento que tem início e fim (escopo) bem definidos. Seguindo conceitos, dividimos o projeto em 05 partes:

  • Iniciação
  • Planejamento
  • Execução
  • Monitoramento e controle
  • Encerramento

Vamos continuar com o exemplo do apartamento. No primeiro momento tivemos a Meta de comprar o apartamento, após concluída a compra, agora queremos reformar o apartamento, isso já é um Projeto.

  1. Iniciação

Iremos definir o que queremos nesta reforma do apartamento, aqui você irá fazer o “escopo”, irá colocar todos os itens de mudança e melhorias.

  1. Planejamento

Neste passo iremos criar as tarefas a serem executadas, dividir funções, alocar pessoas, ver cronograma, é o momento “de pensar antes de agir”.

  1. Execução

É a parte que gostamos, é o colocar a mão na massa, é começar a agir baseado no escopo e executado através do planejamento.

  1. Monitoramento e controle

Parte importante do processo, neste item você verifica se tudo que foi planejado está sendo executado dentro do prazo e do valor estipulado, como se diz “o olho do dono que engorda o gado”, é acompanhar de perto, ver a evolução, se tudo está dentro do combinado em projeto e alinhado com o escopo.

  1. Encerramento

A entrega do Projeto, parte que todos querem atingir, verificar se tudo que está no escopo foi entregue, se o planejamento não fugiu do orçamento e do tempo. É a finalização que começou com uma META e foi concluído com um Projeto.

Bom, espero ter esclarecido, mas se você tem alguma dúvida ou quer compartilhar experiências, faça seus comentários abaixo, no próximo post irei falar sobre o Modelo Canvas.

Até o próximo post…

Fábrica de Empreendedores

Anúncios

Quais os seus desafios para o ano que começa?

Muita gente começará o ano a partir de agora, alguns por voltar das férias, outros por causa de um novo emprego ou negócio, ou ainda pela volta às aulas dos filhos. Enfim, não importa, em que momento seu ano comece… o importante, é ele começar.

Quais os seus desafios para o ano que começa? Não estou falando das promessas que as pessoas fazem ao pular ondinhas ou na virada do dia 31 para o dia primeiro. O que você realmente deseja fazer e principalmente, terá coragem para seguir adiante e executar as ações necessárias para alcançar suas metas ou efetuar algumas mudanças significativas em sua vida?

Resolvi escrever esse post depois de assistir no final de semana dois filmes: Megamente (que já havia assistido, mas minha filha quis rever, fiz até um post sobre ele há algum tempo https://valerianakamura.wordpress.com/2011/07/05/filme-megamente/) e  O Discurso do Rei.

Algumas coisas me chamaram a atenção (nunca consigo assistir a um filme sem fazer analogias com comportamentos e empresas), em ambos os filmes me deparo com personagens que perdem sua motivação ao viverem suas vidas para os outros e acham que não tem escolha.

Em Megamente, temos:

1. O próprio Megamente que viveu a vida toda com o objetivo de derrotar seu inimigo o Metroman e quando consegue perde sua motivação, pois tudo fica sem graça, sem desafios.

2. O Metroman que viveu sua vida para salvar o mundo das maldades do Megamente, mas um dia percebe que só cumpria o que as pessoas esperavam dele e nunca havia pensado em si mesmo.

3. Criado – o companheiro inseparável do Megamente que em uma discussão, Megamente manda que ele pare de cuidar de sua vida, Criado diz que seu único objetivo foi cuidar dele e nesse momento, se sente totalmente perdido.

E em O Discurso do Rei, vemos o futuro Rei George VI sofrendo para atender às expectativas dos outros e tendo que lidar com sua baixa autoconfiança.

Quantos personagens da vida real encontro e são tão parecidos com esses personagens de filmes?

O empresário cujo objetivo é acabar com seu concorrente e não fazer sua empresa crescer para alcançar novos desafios.

Pais extremamente protetores que não deixam seus filhos amadurecerem e vivem em função apenas deles e quando eles decidem partir e trilhar seus próprios caminhos, se sentem totalmente perdidos, pois nunca pensaram em seus desejos.

Pessoas que vivem apenas em função de outras, de atender às necessidades dos outros e pouco pensam em quais são as suas.

Profissionais competentíssimos que não se desafiam com medo do julgamento de seus superiores e pares e preferem ficar reclamando ao invés de buscar seus sonhos e realizar mudanças.

E por que isso acontece mais comumente do que imaginamos?

Napoleon Hill que escreveu a Lei do Triunfo em 1928 (clássico da literatura que recomendo) cita que o ser humano tem alguns medos: da morte, da doença, da pobreza, de perder o amor de alguém, da velhice e da crítica.

E isso continua atual, quando pergunto em meus treinamentos por que as pessoas não estabelecem suas metas, sempre me vem a resposta: “MEDO”.

E medo do quê? De não conseguir? De certo forma sim, mas principalmente, medo do que as pessoas vão falar se não conseguir, enfim, o medo de ser criticado, apontado como fracassado.

E simplesmente digo: “E daí se não conseguir? Vejo o motivo de não ter conseguido, faço uma análise, reorganizo minhas ideias e planejamento e sigo em frente se realmente for importante para mim!”

Viver uma vida para os outros e sem desafios, torna nossa vida monótona, sem tempero e perceba que até os amigos começam a se distanciar… ninguém gosta de ter alguém por perto sem um brilho nos olhos. Ou melhor, tem sim, aquelas pessoas que para se sentirem bem precisam ter pessoas que mostram que estão pior que elas.

O medo faz parte de nossa vida como proteção, mas não pode nos imobilizar.

Os personagens dos filmes tiveram medo, mas conseguiram superá-lo quando encontraram uma razão para vencer, um verdadeiro motivo que os levaram a mudar e se desafiarem, mesmo tendo a chance de perder, morrer ou perder sua credibilidade. Megamente foi o amor por Rosane, Metroman foi o encontro de sua vocação (ser músico, mesmo não sendo lá grande coisa) e o Rei George VI ao encontrar apoio de sua esposa Elizabeth e seu amigo Logue para conseguir ser o líder de seu povo e suceder seu pai brilhantemente.

Eu já sei quais os meus desafios e você? Está esperando o que para começar?

Filme: “A pequena Miss Sunshine”

A pequena Miss Sunshine Uma comédia que faz rir e ao mesmo tempo refletir sobre vários aspectos de nossa vida. Uma família muito estranha formada pelo pai que tenta vender um programa motivacional; uma mãe que busca trazer a normalidade para a família; seu irmão gay que acaba de sair de uma clínica, pois tentou suicídio; um filho que deseja se tornar aviador e por isso resolve fazer um voto de silêncio; um avô que usa drogas e adora revistas pornôs e uma garotinha de 7 anos que quer ser miss, porém é totalmente fora dos padrões de beleza vigentes, pois é gordinha.

Essa família, apesar de muitas divergências, resolvem seguir para a Califórnia para que Olive (a garotinha) possa participar do concurso de beleza Miss Sunshine e nessa viagem tudo de errado acontece até o final surpreendente que acaba unindo essa família maluca.

Algumas coisas podemos analisar neste filme:

1. O pai que quer tornar seu programa motivacional um sucesso e busca utilizar isso em sua própria família, porém não tem resultado.

Aqui, vejo uma crítica que o produtor faz em relação à divulgação de tantos programas motivacionais que existem no mundo e que não trazem um resultado efetivo. Quantos de vocês já assistiram à uma palestra motivacional? Quanto tempo durou a motivação? Enfim, muito pouco tempo… porém me deparo cada vez mais com empresários participando de qualquer palestra que diz trazer o segredo do sucesso, pagam preços absurdos, mas e os resultados?

2. Olive que deseja participar de um concurso de beleza como é o sonho de tantas meninas e se tornam escravas de um padrão que não são para todas.

O produtor mostra os bastidores do concurso, com mães que moldam suas filhas como se fossem obras primas. Meninas de 7 anos que parecem mulheres em miniatura, deixando totalmente sua infância para trás. A indústria do ego que cresce a cada dia e que não aceita aqueles que são diferentes. Para alguns empreendedores, uma área que cresce a cada dia, pois as crianças tornaram-se mais consumistas e exigentes, amadurecem mais cedo, um grande mercado a ser explorado.

3. A busca da realização do sonho de Dwayne, o filho que deseja ser aviador e de Olive em ser miss.

A mãe, sempre uma grande incentivadora dos filhos, compartilhando e buscando formas de ajudá-los, mesmo com várias dificuldades. O sonho é um dos elementos fundamentais na vida dos empreendedores e por isso, é algo que devemos incentivar em nossos filhos para que eles possam desenvolver as características essenciais para alcançarem o que desejam.

 4. O tio deprimido que vê que tudo o que passou, que a princípio seria de fracasso, foi um momento de muito aprendizado e que se não passasse por isso, a vida talvez não teria sentido.

O empreendedor sempre enxerga os fracassos como momentos de aprendizado para que possa se desenvolver e errar menos.

 5. O avô que quer viver intensamente cada minuto e fala tudo o que tem vontade, mostra que temos que valorizar cada etapa de nossa vida.

Talvez, muitos gostariam de ser o avô, pois ele faz tudo o que temos vontade de fazer e não fazemos, pois temos medo de sermos mal vistos pela sociedade, de sermos ridicularizados. Mas e daí? A felicidade talvez esteja muito mais próxima e ficamos dificultando nossa vida para finalmente, encontrá-la.

6. Em um momento do filme, Olive fala para o avô que tem medo de perder o concurso e até pensa em desistir, pois o pai pode deixar de amá-la, pois ele sempre diz que não gosta de perdedores e o avô diz uma frase que faz com que ela se anime e durma tranqüila. E essa frase que deixarei para encerrar este post:

“O verdadeiro fracassado não é alguém que não vence. O verdadeiro fracassado é aquele que tem tanto medo de não vencer que não chega a tentar.”

Como escrever um Plano de Negócios (Parte 2)

No post anterior que trata desse assunto, fiz algumas perguntas norteadoras para a elaboração de um plano, você respondeu? Vou esclarecer o motivo delas: 

Para aqueles que desejam montar seu negócio, as perguntas eram: O que você deseja montar? Por que você quer esse negócio? Quanto você quer ganhar com esse negócio?

Muitas pessoas apenas respondem a primeira pergunta da seguinte forma: “Quero algo que dê dinheiro”. Mas exatamente, o quê? Para àqueles que não sabem, a primeira coisa que se deve fazer é uma boa pesquisa de mercado, saber o que as pessoas precisam e desejam e para quem já tem algo definido, lá vai outra pergunta, as pessoas realmente querem o que você vai oferecer? Não adianta você ter uma grande idéia se não tem mercado.

Vamos exemplificar, fui ministrar um treinamento no interior do Paraná e verifiquei que não haviam rotisserias no local, apenas alguns restaurantes; sendo assim, não seria uma boa idéia montar um boa rotisseria, afinal a concorrência era mínima, eu adoro cozinhar e seria uma novidade? Fui fazer uma pesquisa e verifiquei que seria uma péssima idéia, pois a região possui muitos imigrantes italianos que cultivam a tradição de fazer suas próprias massas e pratos e as pessoas não vivem a loucura das grandes cidades que tudo precisa ser urgente; nos supermercados encontramos poucos pratos prontos, pois não há procura. Os habitantes ainda cultivam o hábito de almoçarem e jantarem em casa com toda a família reunida.

Pois é, uma ótima IDÉIA, porém com poucas chances de êxito, por isso nunca deixe de realizar uma boa pesquisa de mercado.

Quando uma idéia de negócio começa a florescer, as pessoas se apaixonam por ela (veja meu post sobre isso) e não acreditam que algo pode dar errado. Cuidado em fazer algo que você ama e acha que pode virar um excelente negócio, muitas pessoas quando perguntadas por que montaram ou querem montar tal negócio respondem que é algo que gostam muito. Quando ouço essa resposta me parece que o negócio é mais um hobby e na verdade, não é (pode até ser para alguns). Já conheci muitos artesãos que são brilhantes, mas quando montar um negócio na área não deslancham, pois gostam de produzir, mas muitas vezes têm dó de vender, já viram isso? Ou então pessoas que acham que só porque gostam daquilo ou acham bacana, todos vão gostar.

Aqueles que querem empreender, precisam saber quanto querem ganhar com o negócio, caso contrário, como planejar a abertura e crescimento? Já vi pessoas investindo R$ 100.000,00 para lucrar R$ 800,00, sendo que em uma boa aplicação poderia até lucrar muito mais, quanto tempo essa pessoa vai demorar para recuperar seu investimento? Pode parecer estranho, mas grande parte das pessoas abre um negócio sem a menor noção de faturamento e lucratividade e aí vem a grande decepção.

Bem, vamos passar para aqueles que já têm um negócio próprio, as perguntas eram: Você está satisfeito com esse negócio? Como você vê o futuro desse negócio? Qual o faturamento que você deseja daqui a 5, 10, 20 anos?

É difícil você manter por muito tempo algo que não curte mais, por isso, quando bater um certo desânimo se questione se vale a pena estar nele ainda ou se vale vendê-lo ou mudar de ramo porque quando você está em uma fase de desmotivação (e isso não acontece só quando o negócio vai mal) não se consegue inovar, ter boas idéias, buscar outras oportunidades. Agora quando você curte sua empresa, as idéias fluem, as oportunidades aparecem, pois há sempre um desafio.

Pare, feche os olhos e vislumbre seu futuro… como você se vê? Com essa empresa ou não? Se não, o que você está fazendo? Se sim, como essa empresa está daqui a alguns anos? Isso é importante para você estabelecer suas metas pessoais e empresariais e elaborar seu planejamento.

No próximo post, falarei sobre a pesquisa de mercado.