Jovens “no limite” ou “sem limite”?

Apesar de nunca ter sido fã da Amy Winehouse, sinto uma sensação de impotência ao ver que mais uma vez a falta de motivação venceu a VIDA.

Por que digo falta de motivação e não drogas? Primeiro porque acredito que as drogas foram apenas um instrumento para se sentir melhor, suprir uma ausência, buscar um conforto para a falta de um motivo maior para viver.

Sou mãe de uma garota linda e cheia de vida de 5 anos, mas que todos os dias quer mais. Não estou dizendo do querer de coisas materiais, mas de desafios, de novos conhecimentos, de buscar cada dia mais seu limite ou até o ultrapassando.

Quantas vezes, vejo minha filha “no limite” do cansaço, do sono e luta para se manter acordada, brincando, parecendo que o mundo irá acabar.

Quantas vezes, vejo minha filha em situações “sem limite” e acaba falando coisas que não deve ou se machucando.

Quantas vezes, tenho deparado com jovens na idade de Amy atuando em grandes corporações com funções de liderança que tiveram um crescimento veloz que para preencher o vazio da falta de preparo para lidar com pessoas beiram “o limite” da arrogância e intolerância para se protegerem. Ou ainda passam “do limite” da falta de respeito e se acham “blindados”.

Os jovens se desenvolvem cada vez mais rápido, pois aprendem mais rápido, vivem em um mundo muito mais veloz, conseguem coisas mais rapidamente e talvez, até mais facilmente, principalmente quando existem pais que dão tudo para que não fiquem frustrados.

Mas, a frustração é algo que nossos filhos precisam aprender a superar e por si próprios! Isso fará com que eles sempre busquem seus desafios pessoais e soluções para seus problemas.

Jovens talentosos que conseguem tudo muito cedo e muito mais facilmente, podem chegar em um período da vida sem nenhum desafio a ser conquistado e chegando a esse “limite”, a pergunta é: “O que eu faço para me motivar já que consegui tudo?”

Cada vez mais, vejo jovens muito cedo estarem desmotivados e assim sendo buscam uma solução no mundo externo, por exemplo: trabalhando demais (virando verdadeiros workholics), inúmeros relacionamentos amorosos, baladas intermináveis, horas excessivas conectados na Internet ou ingressam no mundo das drogas (lícitas e/ ou ilícitas).

Também já fomos jovens e também acreditávamos que nada nos aconteceria, nossos jovens também acreditam nisso; lições de moral não adiantam, gritos e berros também não, então o que fazer?

Acredito que precisamos nos conter e não sermos superprotetores, hoje quase nossos filhos não correm porque muitas vezes preferimos que eles fiquem na “segurança” do lar, assistindo a TV ou no videogame, para não se machucarem.

Queremos dar todos os “brinquedinhos tecnológicos”, pois todos os amiguinhos têm.

Queremos proporcionar tudo o que há de melhor na educação para serem melhores profissionais.

Queremos evitar todo e qualquer sofrimento para que não se machuquem.

E no final das contas, damos “limites” demais ou transformamos nossos filhos em pessoas “sem limites”, pois já que muitos não sabem o que é se machucar, se frustrar, buscar suas próprias soluções, resolvendo seus problemas?

E quando crescem por não saberem seus “limites” vão em busca deles de forma muitas vezes, irresponsáveis e sem retorno.

Podemos fazer muito por nossos filhos: ensiná-los a serem bem educados, respeitarem às pessoas, obedecerem às normas, aprenderem a esperar; fazer com que busquem suas conquistas e sempre estar disposto a ajudá-los, mas não fazer por eles.

Qual o futuro que você quer para seu filho? Deixe que ele busque suas próprias motivações e desafios!

Filhos empreendedores

Recebi o link de minha irmã de um artigo da Revista Época em que se fala de como os pais prejudicam o crescimento de seus filhos com excesso de cuidado para que não sofram.

Dessa forma, criam-se filhos dependentes, frustrados e nem um pouco empreendedores para gerir suas vidas.

Acredito que serve de alerta para todos os pais, por isso sugiro a leitura.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI247981-15230,00.html

Filme: “A Lenda dos Guardiões”

Feriadão, resolvemos fazer uma sessão de filmes e um deles foi “A Lenda dos Guardiões” que pegamos para assistir com nossa filha de 5 anos.

O personagem principal é Soren, uma coruja que adora as estórias que seu pai conta sobre os Guardiões de Ga’Hoole, um grupo de guerreiros que lutaram para proteger as corujas “do bem” das corujas “do mal”.

Enquanto, o irmão de Soren acha tudo uma bobagem; ele acredita em seus heróis e sonha em se tornar um verdadeiro Guardião.

O que era um conto se mostra real. Soren consegue montar um verdadeiro time e busca salvar as corujas. Não vou contar o que acontece para não acabar com a surpresa!

Em uma das partes, a mãe de Soren pergunta ao pai se ele não se preocupa pelo filho ser tão sonhador e ele responde que se preocupa com todos os filhos da mesma forma. E pela minha percepção, sua preocupação verdadeira está sobre aquele que não sonha.

Como mãe, percebo a importância de estimular os sonhos em nossos filhos, isso fará com que eles construam sua visão de futuro, possam ser estimulados a ter autoconfiança e esperança. Serão adultos mais determinados. Muitos pais dizem que precisam trazer às crianças à realidade, pois querem evitar seu sofrimento.

Por que tentar transformar nossas crianças em adultos racionais que não devem acreditar em Coelho da Páscoa e Papai Noel? O que isso trará para eles? Dizer que eles devem entender que a vida é dura? Para quê? Eles aprenderão isso, no seu tempo e do seu modo.

Quantas vezes nossos pais falavam para não corrermos que nos machucaríamos e não dávamos ouvidos e quando realmente acontecia, chorávamos e só aí aprendíamos.

Vejo tantos pais repreendendo crianças quando dizem que querem ser caminhoneiros, artistas de circo, motoboys. Deixem que eles sonhem… eles terão tanto tempo para mudar ou não… para que sofrermos por algo que nem sabemos como será?

Conheço tantos adultos que nunca sonharam e hoje são infelizes, pois nunca desenvolveram essa capacidade e hoje, fica muito mais difícil soltar a imaginação em busca de seus sonhos, não se permitem, acham ridículo, se fecham às possibilidades de escolha. E muitos escondem uma grande insegurança.

Nos sonhos, nada é proibido, tudo vai dar certo e por termos essa crença (principalmente para aqueles que foram crianças sonhadoras), tiveram iniciativa, não tiveram medo de buscar realizar o sonho.

É claro que muitos se machucaram, outros se decepcionaram, mas não deixaram de acreditar na possibilidade e isso é o mais importante!

Ao contrário daqueles que não sonharam, foram vivendo a vida que os outros impuseram, vivendo o medo dos outros, foram “escondidos” ou “protegidos” para não se machucar ou se decepcionar. E hoje, como adultos continuam fugindo da vida, mas no fundo, possuem cicatrizes maiores do que os sonhadores, pois é uma cicatriz na alma e não no corpo!

Não estou dizendo para largarmos nossos filhos, mas deixarmos que eles sonhem, criem, inventem estórias, tenham amigos imaginários, finjam que são outras pessoas, além de incentivar a encontrarem seus caminhos, você ajudará seus filhos a serem melhores pessoas.

Vou contar um fato que aconteceu com minha filha de 5 anos.

Ela disse que queria ser médica, florista e bombeira. Em nenhum momento, meu marido e eu dissemos algo contra, apenas a questionamos o porquê dessas escolhas e ela disse que gostaria de ajudar as pessoas e cuidar de flores é muito bom!

E por muito tempo, ela continuou dizendo a mesma coisa e sempre conversávamos sobre isso, mas nunca disse que não daria para fazer tudo ou era um absurdo.

Até que um dia, ela me disse que esteve pensando e que ela só ia ser médica porque era muita coisa para se fazer ao mesmo tempo. Pronto! Ela chegou a uma conclusão sozinha e com apenas 5 anos.

Isso me dá a certeza de que estou no caminho certo e curtirei com ela todos os seus sonhos!

Deixe seus filhos voarem (viverem) como as corujinhas do filme!

Ser feliz: sou empreendedora, mãe, esposa, mulher…


Aqui estou, mais uma vez em um quarto de hotel me preparando para um treinamento. Mais alguns dias fora de casa deixando marido, filha e minhas “coisinhas”.

Muitas mulheres me perguntam como eu tenho coragem de fazer isso, se eu não sinto culpa por “largar” minha família. Muitos homens me olham com reprovação e só faltam falar: “mulher minha não faria isso!”.

Em compensação, muitos admiram a minha forma de ser, respeitam e aceitam minha opção.

Sou uma pessoa feliz, pois faço coisas me fazem feliz. Optei em ser uma empreendedora, ter meu próprio negócio, trabalhar com treinamento que sempre amei. Apesar de não ser fácil, é muito prazeiroso.

Quis constituir uma família, casei com um homem maravilhoso, parceiro em todas as horas e tivemos uma filha linda e saudável. Temos momentos simples, porém maravilhosos juntos quando estou em casa: um café da manhã, um almoço, um jantar, assistimos filmes e comemos pipocas, brincamos, vamos à missa, fazemos compras, lemos. Esses são nossos pequenos presentes.

Também tenho meus momentos: de leitura, de não fazer nada, de bancar a chef de cozinha, de “mulherzinha”.

Acredito que consigo ter uma vida equilibrada, pois organizo meu tempo para desempenhar esses diversos papéis e principalmente por nunca deixar de fazer o que realmente é importante para mim.

Percebo que muitas mulheres deixam de viver suas próprias vidas para viver a vida de seu marido e filhos. Porém, quando os filhos saem de casa ou o casamento acaba, ocorre um grande vazio e fica muito mais difícil encontrar seu caminho.

Minhas opções não foram feitas apenas para preencher o presente, mas elas têm tudo a ver com minha visão de futuro.

Minha filha está sendo educada para ser uma pessoa independente, que possa decidir seu futuro, que busque soluções aos invés de se lamentar pelos problemas. E tenham certeza, de que apesar de ter apenas 5 anos, já vejo em suas atitudes uma pessoa determinada e segura, por isso acredito ter feito e estar fazendo a coisa certa.

Em um treinamento, um participante me perguntou qual a expectativa que eu tinha para minha filha. Eu respondi: “Nenhuma. Só desejo que ela seja feliz como eu com o caminho que escolher.”

E você? Já escolheu seu caminho da felicidade?