Pequenas ações, grandes feitos

Olá!

blurred-image-of-people-in-underground2016 passou rápido, não é? Parece que foi ontem. Uma sensação de que o tempo está voando a cada ano que passa, mas o tempo sempre é o mesmo. O que pode mudar são nossas atitudes no nosso dia a dia.

Pequenas ações levam a grandes feitos, mas para tudo isso acontecer temos que nos mexer. Nos preocupamos muitas vezes em superar os feitos de outras pessoas quando na verdade temos que superar a nós mesmos.

black-and-white-image-of-young-woman-sitting-on-benchSó você e mais ninguém sabe das suas dificuldades e resolvê-las depende 99% das suas atitudes. E quando essas dificuldades passam pelo financeiro e que muitas vezes buscamos resolvê-las de forma “desestruturada” e desesperada, ao invés de resolver, aumentamos o problema.

Este ano o TeuControle quer que você saia desse círculo vicioso, como dizemos “ é você, no controle das suas finanças

Nosso foco em 2017 é mostrar como você pode fazer um ano diferente, sair da rotina das tentativas e entrar na rotina do fazer: a palavra é executar!

tourist-looking-at-mountainsProblemas irão existir, mas se você estiver planejado as dificuldades serão enfrentadas com mais clareza e assertividade. Vamos construir um 2017 diferente e que não será mais do mesmo de 2016.

Inscreva-se no www.teucontrole.com e receba um Ebook de “Como começar seu planejamento financeiro pessoal”. Ele é simples e de fácil execução.

E para embalar este ano que tal um som,  aumente o volume…


Obrigado e até o próximo post.

Equipe TeuControle.com

2017 nos trilhos

trem-flores

Mais um post do parceiro TeuControle.com

Olá…

Quem não gostaria de começar 2017 nos trilhos, ter tudo acertado, nenhuma pendência de 2016 e tudo preparado para 2017? Utopia? Não se você souber utilizar o seu 13º para dar fôlego na passagem de ano.

Este benefício se perde se não soubermos o que fazer ou como utilizá-lo. Pago dívida, consumo ou invisto? E nesta “enrolação” ou não tomando uma boa decisão, o dinheiro se vai e não sabemos nem para onde foi.

Uma pesquisa da Associação Comercial de São Paulo demonstrou que 18% das pessoas não sabem lidar com o “dinheiro extra” e outra pesquisa realizada pelo SPC Brasil apresentou que 85% da população faz compras sem planejamento.

Diante deste quadro o TeuControle.com quer dar algumas dicas de como você pode organizar as finanças e aplicar de uma melhor forma seu 13º.

O pagamento do 13º é dividido em duas partes. A primeira parcela deve ser paga entre os meses de fevereiro até o último dia útil do mês de novembro.

A segunda parcela deve ser quitada até o dia 20 de dezembro descontado o adiantamento da 1ª parcela.

Primeira pergunta: Tenho Dívidas?

Man at desk in shirt and tie holding his head and worrying about money.

Com juros altos, as dívidas sempre têm um caráter de urgência. Por isso, se você tiver algum débito em aberto, esse será o primeiro destino do seu décimo terceiro. Algumas pessoas vão dizer que não podem sacrificar o Natal para pagar as dívidas, mas quando se endividaram lá atrás elas não pensaram nisso.

As dívidas que terão prioridades serão aquelas com juros altos. Negocie sempre, peça descontos para pagar a dívida, pois você está com dinheiro em mãos, não perca a oportunidade.

Segunda pergunta: Quais serão as despesas do início de 2017?

iptu-ipva

Entra ano e sai ano, IPTU, IPVA, material escolar, licenciamento de veículos, entre outros irão aparecer. Por que não aproveitar e utilizar o 13º para fazer uma reserva para não comprometer todo o orçamento do mês com essas contas. Se planejar direitinho, essas contas não afetarão os outros meses de 2017, ou seja, fuja do cheque especial para pagar essas dívidas, isso pode se arrastar por meses.

Terceira pergunta: Tenho investimentos?

Citrus sapling growing from coins

Se você não tem investimento, que tal se presentear, ou melhor, presentear a família com um investimento. Explique a necessidade de se investir, “pegue” uma parte do 13º e comece a fazer uma reserva. Que tal por um propósito para esse investimento? Uma viagem, compra de um bem, estudo ou cobrir situações extraordinárias (perda de emprego ou problema de saúde). É fazer 2017 diferente de 2016 com relação às finanças. Como falamos sempre no TeuControle.com “é você, no controle das suas finanças”.

Quarta pergunta: E o Natal?

dinheiro

É uma data de celebração! Com certeza o “bichinho” do consumo está eufórico, as mãos começam a coçar, o desejo por algo novo é inevitável, por isso, pare e respire…05 segundos!!!

Nós do TeuControle.com não queremos que você fique fora desse período. É importante para você, família e amigos; é o encerramento de um ciclo, mas é preciso ser consciente, ter em mente que o consumo deve ser inteligente, não se deixa levar por luzes, músicas – lembre-se que para começar um 2017 no azul é preciso disciplina e organização nas finanças.

É aconselhável comprar e pagar à vista para conseguir descontos maiores e evitar dívidas em 2017, vale a regra “não gaste se não pode e invista sempre que puder”.

Pense sempre que “é você, no controle de suas finanças” – não se perca nas armadilhas de final de ano para não se perder durante 2017 inteiro.

Faça um Natal de alegria com consciência, sabendo que está celebrando o encerramento de 2016 com a certeza de ter um 2017 próspero, não adianta nada pular sete ondinhas se seu comportamento não mudar.

Se você utilizar o sistema TeuControle.com durante 2017 inteiro, aplicando dicas do nosso Blog, garanto que a virada de 2017 para 2018 será mais próspera que esta de 2016 para 2017.

É preciso se planejar. Se não, no próximo ano vai ser a mesma bola de neve.

Se gostou do post, compartilhe nas suas redes sociais e até o próximo!

Equipe TeuControle.com

Oportunidade x Oportunismo

Depois de uma semana que houve falta de combustível nos postos de São Paulo por causa da greve dos transportadores devido ao horário restrito dos caminhões, vejo um grande problema que como sempre acabou prejudicando os consumidores.

Muitos donos de postos resolveram aumentar de forma abusiva os preços, alguns postos chegaram a cobrar R$ 5,00 pelo litro da gasolina e vi nisso um oportunismo dessas pessoas.

E quando falo em oportunismo, muitas pessoas me perguntam sobre a diferença entre esse termo e oportunidade.

No dicionário encontramos o significado de “oportunidade” como “qualidade do que é oportuno (que convém, apropriado, conveniente)”.

E o significado de “oportunista” como sendo “aquele que sabe tirar proveito das circunstâncias de dado momento, em benefício de seus interesses. Na Medicina, utiliza-se o termo microorganismo oportunista que é capaz de infectar um hospedeiro cuja resistência está deprimida causando uma doença.

Posso dizer então que um empresário oportunista é aquele que em seu próprio  benefício e interesse se aproveita de uma situação emergente para extorquir e prejudicar os consumidores que necessitam do que ele oferece e ficam à mercê do que ele se dispõe a fazer.

Em relação à oportunidade, muitos empresários podem olhar o significado e dizer: “Mas lá está dizendo que é o que é oportuno, conveniente. Então, estou fazendo algo que é oportuno e conveniente para mim. O que há de errado?”

Você pode optar em seguir qualquer um dos caminhos, porém o resultado será bem diferente para cada um deles.

Vou ilustrar com uma velha história que contamos no Seminário Empretec sobre essas duas facetas.

Na década de 80, houve um terrível terremoto no México e não havia água potável. Apenas um empresário tinha uma fonte que havia sido afetada, sendo assim, resolveu vender uma garrafa de água 10 vezes mais do que era vendida, afinal, tinha que aproveitar a demanda! As pessoas compravam e pagavam, pois não tinham saída.

Na mesma cidade, havia um rapaz que produziu camisetas escritas: “Sobrevivi ao terremoto do México” e vendia pelo mesmo preço da água.

Quem viu a oportunidade? Quem era o oportunista? Qual o resultado de cada um?

O rapaz das camisetas ganhou bastante dinheiro, mas ninguém era obrigado a comprar seu produto. Porém, quem comprava se sentia orgulhoso por mostrar que era um sobrevivente e mostrava forças para continuar sua luta.

O dono da água também ganhou bastante dinheiro, mas as pessoas compravam contrariadas em pagar um preço tão alto, tendo a percepção de que aquele empresário era uma pessoa desumana e desonesta. As pessoas não achavam que ele devia dar a água de graça, poderia ter aumentado um pouco, mas não tão absurdamente. Resultado: quando tudo voltou à normalidade, o que você acha que aconteceu com esse empresário? Será que tinha alguém disposto a fazer negócios com ele? Ele tinha mantido seus clientes? Segundo o que se conta, esse empresário teve que sair da cidade, pois foi visto como um “microorganismo oportunista”.

Quando entramos no mundo dos negócios, é claro que desejamos ganhar dinheiro (e de preferência muito), mas para que isso aconteça, precisamos perpetuar nossa empresa, mantendo os clientes com preços justos e atendimento impecável.

De nada adiantará, tentar ganhar tudo de uma só vez porque ficará nessa uma só vez. Esses empresários que subiram demais o valor do combustível tiveram mais perdas do que ganhos. Ganharam de alguns consumidores porque estes precisavam e não tinham outra alternativa. Porém, alguns donos foram presos, tiveram seus funcionários presos e postos fechados por um período.

Quanto gastaram com fianças e postos fechados? Além disso, será que aqueles consumidores que se sentiram lesados frequentarão esses postos? Acredito que não e ainda farão uma grande propaganda negativa. Quanta perda por serem gananciosos!

Porém, no meio desse lixo todo, vi uma história de um dono de posto que resolveu colocar uma cota para cada cliente para poder atender mais pessoas e não deixar ninguém sem combustível. Tenho certeza de que alguns reclamaram (aqueles egoístas que apenas pensam neles), mas muitos consumidores viraram ou virarão clientes por terem sido atendidos em um momento tão complicado.

E você? Qual lado da moeda prefere estar como empreendedor e consumidor?

Trocando experiências

Ontem, estive em uma confraternização de um grupo de amigos empresários que fizeram o Seminário Empretec. Comemos, bebemos e rimos muito e como não podia deixar de faltar: conversamos sobre negócios.

Normalmente, quando encontro um grupo de empresários, as conversas giram em torno dos problemas e reclamações, porém este grupo estava muito mais focado nas soluções para seus negócios, mesmo que seja necessário virá-los de ponta cabeça e realizar uma completa mudança, o que exige muita coragem e planejamento.

Além disso, surgiram novas idéias de negócios para (logicamente) ganharmos mais dinheiro. Agora, o próximo passo é estudarmos a viabilidade.

Foi um encontro altamente produtivo, pois tivemos nosso momento de relaxamento, mas também aproveitamos a oportunidade de termos mentes privilegiadas que podiam agregar muito valor ao nosso encontro, tornando-o muito rico.

Eu, particularmente, sai mais leve para começar a semana, com aprendizados e uma nova oportunidade de negócio que conhecerei daqui a algumas horas.

E você, como aproveita momentos como esse?

Como escrever um Plano de Negócios (Parte 4)

Grande parte das pessoas que conheço e que desejam montar um negócio, começam normalmente pelo produto ou serviço. Quando sei que alguém desejar empreender eu pergunto: “qual o tipo de negócio você quer montar?” e sabe qual a resposta? “Venderei comida congelada ou farei serviço de segurança” ou qualquer outra coisa do gênero.

Verificou que não falou do negócio, mas do produto ou serviço? E o que acontece, normalmente?

Isso faz com que as pessoas fechem o leque de oportunidades e pior, quando questionadas como surgiu essa idéia, no caso da comida congelada, elas dizem que é ou porque todo mundo precisa comer ou ainda porque a pessoa adora cozinhar. E será assim que se abre um negócio?

Posso até ter uma idéia, mas preciso verificar se realmente atenderá ao mercado que desejo, afinal só será uma boa idéia se tiver alguém que pague por isso.

E como fazer a prospecção de negócios?

1. Verifique a necessidade do mercado que você quer atingir. O que falta na região? O que as pessoas precisam? Pergunte… não fique “achando”, converse com possíveis clientes.

2. Você tem algum recurso subutilizado? Um imóvel, uma máquina, um automóvel? Ou tem alguém que tenha e que você possa utilizar? Uma escola com salas vazias em um determinado período, um local público, um prédio?

3. Pegue a necessidade da região e verifique se pode ser utilizado algum recurso subutilizado para a montagem do negócio. Vamos exemplificar?

Na sua pesquisa com algumas pessoas, todas afirmam que faltam programas culturais na região e precisam se deslocar para muito longe para poder ter um entretenimento deste tipo. Só que programa cultural ainda é algo amplo, nesse momento você consegue obter dessas pessoas que gostariam muito de ver peças teatrais e espetáculos musicais.

Você verifica que existem alguns lugares que ficam ociosos em sua região, tipo o salão de uma escola ou de uma igreja, o espaço de exposições do shopping e nesse momento, você verifica a viabilidade de um convênio, de locação ou de concessão para a realização de peças e espetáculos.

E aí, que tal montar uma empresa de entretenimento cultural, trazendo vários artistas para a cidade? Provavelmente, você começará de uma forma mais estruturada e com um índice de acerto maior do que outras pessoas. A equação para se começar um negócio da forma correta é a seguinte:

Problemas e/ ou necessidades + Recursos subutilizados = NEGÓCIO

Porém, a maior parte das pessoas faz o quê?

Por exemplo, a pessoa decide montar uma tabacaria porque acha “chique”, pois ela foi no shopping e achou lindo, porém nem tudo que é lindo dá certo, nem tudo que dá certo em um lugar dá em outro. Aí, lembra que tem uma casa de uma tia que está desocupada e que poderia utilizar (porém esquece de um fator primordial que é a localização, a casa fica em uma área residencial). Enfim, gasta um dinheiro enorme e aí começam os problemas, pois tudo está errado, não fez um estudo com os clientes, localização inadequada. A equação para qualquer negócio começar errado é:

Negócio + Recursos subutilizados = PROBLEMAS

E você? Vai querer fazer a coisa certa ou será guiado por sua ansiedade e fazer da forma que poderá te trazer muitos problemas? Pense nisso ao abrir ou expandir sua empresa.

Filme: “De porta em porta”

De porta em portaMais uma história real de um homem com paralisia cerebral que apesar de todos os problemas e preconceitos recebeu o prêmio de melhor vendedor dos Estados Unidos.

Bill Porter, incentivado por sua mãe que sempre o tratou como qualquer outra pessoa, foi em busca de um emprego, ser vendedor. Inicialmente, foi recusado, mas não desistiu e ganhou uma área que ninguém queria atuar pela dificuldade em realizar vendas.

E lá foi Bill, batendo de porta em porta, recebendo “nãos”, sendo discriminado por uns, até que consegue fazer sua primeira venda.

Foi a primeira de inúmeras e qual a receita de Bill? Entender as necessidades dos clientes, ouvir legitimamente, quebrar todo e qualquer tipo de preconceito, tornando-se com o passar do tempo, o “amigo” vendedor que dava conselhos, era o ombro amigo que aparecia nos momentos de tristeza e angústia.

Apesar da deficiência, Bill não se sentia diferente e não gostava que o tratassem como um deficiente, ele era uma pessoa que podia trabalhar e se desenvolver, mesmo com a perda da mãe não se deixou abater.

Os anos passam e com a vinda da tecnologia, o sistema de vendas muda e Bill não consegue se adaptar, pois acredita que a venda é uma arte, que deve ser feita olho no olho. Sendo assim, Bill resolve deixar a empresa. Mas, por pouco tempo…

É uma grande história de superação e persistência que nos faz refletir que muitas vezes temos todos os recursos necessários e nos deixamos abater por pequenas coisas, mas além disso trata de um assunto relevante para qualquer empresa, como tratar nossos clientes e transformá-los em nosso fãs.

Primeiro, temos que ouvir os clientes para conhecê-los melhor, pois muitas vezes eles não nos dizem claramente sobre suas necessidades, mas se prestarmos atenção no que dizem, podemos buscar novas oportunidades de negócios, afinal ofereceremos produtos e serviços mais adequados.

Segundo, não devemos nos preocupar em apenas fazer uma única venda, mas em manter essa relação comercial ao longo do tempo. E como fazer isso? Ligue para o cliente apenas para bater um papo. Passe apenas para dar um “olá”, mesmo sabendo que ele não comprará nada. Deixe a porta sempre aberta. Não seja aquele vendedor que quando seu cliente compra, fica com um grande sorriso e se ele não compra nada, fica emburrado. Quem é que gosta de um ser desse jeito?

Transformar clientes em fãs, é fazer com que eles te indiquem a outras pessoas, é fazer com que você faça parte do seu dia-a-dia, é te transformar em referência para outras pessoas.