Parábola: “O Anel”

Quem faz a opção de empreender, sabe que existem dias terríveis, de inúmeros problemas e obstáculos, mas isso não faz com que o empreendedor desista, pois sabe que precisará enfrentar a tudo para alcançar o sucesso.

E quando alcança o sucesso, não pode relaxar, deve continuar a luta diária para não ser ultrapassado por seus concorrentes, por isso deve estar sempre alerta.

Enfim, o mundo não é estático, tudo passa e é disso que trata a parábola abaixo:

“Houve certa vez um rei sábio e bom que já se encontrava no fim da vida.

Um dia, pressentindo a iminência da morte, chamou seu único filho, que o sucederia no trono, e do dedo tirou um anel.

– Meu filho, quando fores rei, leva sempre contigo este anel. Nele há uma inscrição. Quando viveres situações extremas de glória ou de dor, tira-o e lê o que há nele.

O rei morreu e o filho passou a reinar em seu lugar, sempre usando o anel que o pai lhe deixara.

Passado algum tempo, surgiram conflitos com um reino vizinho que desencadearam uma terrível guerra.

À frente do seu exército, o jovem rei partiu para enfrentar o inimigo. No auge da batalha, vendo os companheiros lutarem e morrerem bravamente, num cenário de intensa dor e tristeza, mortos e feridos agonizantes, o rei lembrou-se do anel. Tirou-o e nele leu a inscrição:

ISTO TAMBÉM PASSARÁ

E ele continuou sua luta. Venceu batalhas, perdeu outras tantas, e no fim saiu vitorioso.

Retornou então ao seu reino e, coberto de glórias, entrou em triunfo na cidade. O povo o aclamava.

Nesse momento de êxito, ele se lembrou de novo de seu velho e sábio pai. Tirou o anel e leu:

ISTO TAMBÉM PASSARÁ”

Anúncios

Tudo na vida tem seu preço…

Encontrei essa parábola e acredito estar muito ligada à nossa vida empreendedora.

“Era uma vez um rei, que vivia bastante inquieto e constantemente se questionando onde residia o verdadeiro sentido da vida. Convocou os sábios e súditos do seu reino e deu-lhes a seguinte missão:

– Pesquisem, estudem, leiam, escrevam, sintetizem, no tempo que lhes for necessário, e tragam pra mim qual o verdadeiro sentido da vida de um ser humano.

Sentindo o peso da responsabilidade que o rei lhes havia incumbido, isolaram-se, durante vários anos e, finalmente, retornaram, levando-lhe vários livros. O rei sequer pegou nos livros e disse:

– Certamente, o sentido da vida não pode ser assim, tão complexo. Voltem e tragam algo mais simples, mais objetivo.

Desolados, eles saíram da presença do rei e, poucos meses depois, retornaram. Desta feita, trazendo apenas um livro. Mais uma vez, o rei disse que queria algo mais objetivo, direto.

Decepcionados, mais uma vez foram tentar cumprir a missão que o rei lhes havia designado. Uma semana depois, retornaram, todos felizes e entusiasmados, trazendo apenas um pedaço de papel, que estava escrito o seguinte:

NÃO EXISTEM ALMOÇOS GRÁTIS!

O rei disse:

– Finalmente, vocês acertaram! Nada na nossa vida é de graça; tudo tem um preço, um investimento, uma parcela de dedicação e sacrifício. O sentido da vida de um homem, portanto, reside nele buscar e conquistar as suas realizações, os seus objetivos e, com isso, ser motivado, produtivo e feliz.”

Quando decidimos empreender, encontramos muitos obstáculos que precisamos superar porque nossa motivação para a realização é muito maior.

Hoje, conversando com um amigo, ele me disse que muitas pessoas dizem: “Nossa, você tem tão pouco tempo com essa empresa, mas está tão bem!”. Porém, o que as pessoas esquecem que há 10 anos ele vem construindo tudo o que está colhendo hoje e isso exigiu e exige muita dedicação e persistência, pois nada vem fácil, mas traz uma grande satisfação quando se alcança seus sonhos.

Não espere que alguém jogue sua vaca no precipício… atire-a antes!

VacaEsta parábola é uma das minhas preferidas, pois faz com que pensemos sobre mudança, segurança, risco, potencial… tudo o que faz parte do mundo empreendedor. Já fiquei esperando que as pessoas atirassem minhas vacas no precipício e a frustração do início deu lugar a novas oportunidades. Hoje, não espero que venha alguém para fazer isso por mim, mesmo com um certo medo, já atirei muitas vaquinhas e garanto que foram as melhores coisas que fiz e até penso: “Porque não atirei antes?”

Leia a parábola e assim, você entenderá melhor o que quero dizer.

“Um filósofo passeava por uma floresta com um discípulo, conversando sobre a importância dos encontros inesperados. De acordo com o mestre, tudo que está diante de nós nos oferece uma chance de aprender ou ensinar. Quando cruzavam a porteira de um sítio que, embora muito bem localizado, tinha uma aparência miserável, o discípulo comentou: – O senhor tem razão. Veja este lugar… Acabo de aprender que muita gente está no paraíso, mas não se dá conta disso e continua a viver em condições miseráveis.

– Eu disse aprender e ensinar – retrucou o mestre. Constatar o que acontece não basta; é preciso verificar as causas, pois só entendemos o mundo quando entendemos as causas.

Bateram à porta da casa e foram recebidos pelos moradores: um casal, três filhos, todos com as roupas sujas e rasgadas.

– O senhor está no meio desta floresta, não há nenhum comércio nas redondezas – observou o mestre ao pai de família. Como sobrevivem aqui?

E o homem, calmamente, respondeu.

– Meu amigo, nós temos uma vaquinha que nos dá vários litros de leite todos os dias. Parte desse produto nós vendemos ou trocamos, na cidade vizinha, por outros gêneros de alimentos. Com a outra parte, produzimos queijo, coalhada e manteiga para o nosso consumo. E assim vamos sobrevivendo.

O filósofo agradeceu a informação, contemplou o lugar por um momento e foi embora. No meio do caminho, disse ao discípulo:

– Pegue a vaquinha daquele homem, leve-a ao precipício e jogue-a lá embaixo.

– Mas ela é a única forma de sustento da família! – espantou-se o discípulo.

O filósofo permaneceu calado. Sem alternativa, o rapaz fez o que lhe pedira o mestre, e a vaca morreu na queda. A cena ficou gravada em sua memória.

Muitos anos depois, já um empresário bem-sucedido, o ex-discípulo resolveu voltar ao mesmo lugar, contar tudo à família, pedir perdão e ajudá-los financeiramente.

Ao chegar lá, para sua surpresa, encontrou o local transformado num belíssimo sítio, com árvores floridas, carro na garagem e algumas crianças brincando no jardim. Ficou desesperado, imaginando que a humilde família tivesse precisado vender o sítio para sobreviver. Apertou o passo e foi recebido por um caseiro muito simpático.

– Para onde foi a família que vivia aqui há dez anos?

– Continuam donos do sítio.

Espantado, ele entrou correndo na casa, e o senhor logo o reconheceu. Perguntou como estava o filósofo, mas o rapaz nem respondeu, pois se achava por demais ansioso para saber como o homem conseguira melhorar tanto o sítio e ficar tão bem de vida.

– Bem, nós tínhamos uma vaca, mas ela caiu no precipício e morreu – disse o senhor. Então, para sustentar minha família, tive que plantar ervas e legumes. Como as plantas demoravam a crescer, comecei a cortar madeira para vender. Ao fazer isso, tive que replantar as árvores e precisei comprar mudas. Ao comprar mudas, lembrei-me da roupa dos meus filhos e pensei que talvez pudesse cultivar algodão. Passei um ano difícil, mas quando a colheita chegou eu já estava exportando legumes, algodão e ervas aromáticas.

Nunca havia me dado conta de todo o meu potencial aqui: ainda bem que aquela vaquinha morreu!”

Atirar a vaca pode ser mudar de ramo de negócio, buscar novas oportunidades, mudar de emprego, fechar um negócio, sair da sociedade que há muito você deseja, enfim, mude… faça algo diferente para descobrir suas reais potencialidades.

Mesmo que sua vaca seja bonitinha… talvez esteja na hora de atirá-la!