Livros para quem quer ter uma independência financeira

slide1

Uma das melhores formas de adquirir conhecimento é ler! Por isso estamos indicando neste post alguns livros para você, obras escritas por pessoas bem-sucedidas e que passam de forma clara e objetiva como fizeram “as coisas” darem certo.

São livros que irão fazer você refletir sobre a forma de pensar e lidar com o dinheiro, a partir dessas leituras garanto que você irá interagir de forma diferente no universo das finanças.

Então vamos as nossas indicações:

  1. O milionário mora ao lado
 o-milionario-mora-ao-lado Este livro revela quem são os ricos de verdade, quais são as suas profissões e ocupações, onde fazem compras, como fazem investimentos, como ficaram ricos, quais os setores de maior perspectiva para obter-se lucros e muito mais.
  1. Casais inteligentes enriquecem juntos
 casais-inteligentes De acordo com o consultor Gustavo Cerbasi, a raiz do problema está na falta de conversa sobre dinheiro. Em geral, só se fala sobre o assunto quando a bomba já estourou. E por não discutir a questão a dois, a maioria acaba deixando de fazer um orçamento realista, de guardar dinheiro para atingir suas metas e de se planejar para manter um bom padrão de vida no futuro.
  1. Trabalhe 4 horas por semana
 4-hrs-por-semana Esqueça o velho conceito de trabalho. Não espere chegar a aposentadoria para começar a aproveitar a vida. Se o seu sonho é escapar da rotina, experimentar grandes viagens pelo mundo, ter uma renda mensal de cinco dígitos ou apenas viver mais e trabalhar menos, trabalhe 4 horas por semana é o livro de que você precisa.
  1. Os segredos da mente milionária
 mentes-milionarias Se as suas finanças andam na corda bamba, talvez esteja na hora de você refletir sobre o que T. Harv Eker chama de ‘o seu modelo de dinheiro’ – um conjunto de crenças que cada um de nós alimenta desde a infância e que molda o nosso destino financeiro, quase sempre nos levando para uma situação difícil. Neste livro, Eker mostra como substituir uma mentalidade destrutiva – que você talvez nem perceba que tem – pelos ‘arquivos de riqueza’, 17 modos de pensar e agir que distinguem os ricos das demais pessoas.
  1. Pai rico, pai pobre
 pai-rico-pai-pobre Um dos livros mais falados da última década, abriu os olhos do mundo para a necessidade de pensar o planejamento de finanças pessoais. Pai Rico, Pai Pobre foi o primeiro best-seller de Robert T. Kyiosaki e Sharon Lechter, e deu origem a uma série de enorme sucesso. Seu conceito é muito simples: com maior inteligência financeira muitos problemas comuns da vida cotidiana podem ser resolvidos.

Nesses livros você irá encontrar vários modelos de como lidar com o dinheiro, métodos e formas de pensamento, mas se você não organizar as ideias ou montar uma estratégia tudo será perdido.

O ideal é utilizar o TeuControle.com para planejar, entender e aplicar esses métodos e as ideias. Aplicando TeuControle.com a visualização e entendimento das contas, das despesas e receitas a capacidade de planejar e executar fica dinâmica e assertiva.

É “você, no controle das suas finanças”, sem medo e buscando dia a dia sua independência financeira. Não espere o tempo passar, a hora é agora. Boa leitura e siga na direção da prosperidade.

Até o próximo post.

Equipe TeuControle.com

logo teu controle

Anúncios

Filme: “O Sabor de uma Paixão” – persistência e comprometimento

A princípio parece ser um romance bobinho, mas algumas situações me chamaram atenção.

O filme é sobre Abby, uma americana que vai para o Japão para encontrar seu namorado que a deixa e sozinha, se sente perdida.

Até que ela entra em um restaurante que serve o Lamen e ela percebe como ele proporciona um sentimento mágico em seus consumidores. Decide então que será uma chefe especializada no prato e pede para o dono do restaurante ser seu professor.

Os dois não se entendem, principalmente, por causa do idioma, mas a comida não tem barreiras e permite que haja uma ligação muito forte entre os dois.

Abby passa por um duro treinamento, pois seu professor não é nada fácil. Tem que lavar banheiro, grandes panelas, limpar o restaurante, servir, acordar cedo e dormir tarde, mas nada a faz desistir, pois tem um objetivo muito claro.

Em um momento, ela diz que seu pai sempre disse que ela nunca consegue terminar algo, mas seria diferente dessa vez porque ela queria muito se tornar uma especialista em lamen e faria de tudo para conseguir.

No meio da estória, Abby conhece um executivo japonês (cujo sonho era ser músico) e se apaixona. Quando parece que está indo tudo bem entre eles, ela recebe a notícia de que ele terá que ir para Taiwan, a empresa o transferiu. Ela pede para ele ficar, para largar tudo e ir atrás de seu sonho, mas ele diz que é japonês e o certo é ele seguir às regras. Ele pede que ela vá com ele, mas ela diz que não pode porque está indo atrás de seu sonho.

O dono do restaurante a ensina a preparar o lamen, mas ela faz várias vezes e ele joga tudo fora por achar horrível. Até que ele leva Abby para conhecer sua mãe  para que ela prepare o lamen para ela experimentar. Ele explica que Abby tem a técnica muito apurada, mas o prato não tem gosto.

A mãe do professor diz para Abby que ela tem que por sentimento no que faz, quando fazemos dessa forma, tudo fica saboroso, não é só técnica e aí Abby entende quando várias vezes seu professor falava que ela tinha que fazer com a alma, com amor.

Abby foi preparar o lamen e dessa vez, foi especial, conseguiu atingir o que desejava. As pessoas sentiram a mágica do prato.

Qual a analogia que faço desse filme com o mundo empreendedor?

Muitos empresários desistem de muitas coisas no decorrer do tempo, pois ainda não encontraram um verdadeiro motivo para seguir em frente; algo que realmente desperte algo intenso em si.

Quando realmente encontram um grande desafio, passam por situações duras, nem sempre agradáveis, mas nada disso os abalam, pois sabem porque precisam passar por isso. Continuam a ser persistentes.

Abby mostrou comprometimento com ela mesma, com seu sonho; mesmo sacrificando um grande amor. Se os empreendedores não tiverem primeiro, esse comprometimento consigo mesmo, não conseguirão se comprometer com qualquer outra pessoa.

E por último, mas talvez o mais importante, quando decidimos empreender devemos fazer com amor, com dedicação. Os clientes percebem quando gostamos do que fazemos, nossos parceiros se dedicam mais a nós. Afinal, o amor contagia.

Mas nunca esquecendo que as técnicas de gestão são importantíssimas para mantermos os pés no chão.

II Seminário Empretec para Dekasseguis

 

Entre os dias 30 de agosto e 7 de setembro de 2008, aconteceu em Mogi das Cruzes-SP, o II Seminário Empretec para Dekasseguis com 27 participantes.

 

Mais um seminário fantástico onde pessoas buscaram seus limites, desafios nunca imaginados, mudanças significativas que impactarão em suas vidas.

 

A cada seminário, percebo como sou uma profissional privilegiada, pois tenho a oportunidade de participar de momentos únicos que me tornam uma pessoa melhor.

 

São momentos em que revejo minha vida, agradeço pelos meus dias vividos intensamente e projeto minha visão de futuro para que tudo tenha um sentido, um propósito.

 

Mais uma vez algumas características orientais das quais tanto me orgulho apareceram, tais como: determinação, disciplina, organização e o senso de cooperativismo. Pessoas que não esmoreceram, apesar do cansaço. Pessoas que até o último minuto buscaram ajudar às outras. E sempre com alegria e um sorriso no rosto.

 

O alto astral desta turma foi contagiante, todos os dias, apesar das inúmeras atividades e pressão não deixavam a peteca cair.

 

Os resultados gerados foram brilhantes, demonstrando a força empreendedora de cada participante e isto, é um sinal de como podem utilizar essa força na gestão e desenvolvimento de seus negócios.

 

Meus agradecimentos especiais:

 

ü     À equipe do Escritório Regional do Alto Tietê que agüentaram a bagunça que fizemos durante estes 9 dias.

ü     À minha amiga Ana Maria Coelho (Gerente do ER Alto Tietê) que mais uma vez apostou neste seminário.

ü     Ao Eduardo Koji Fukuyama (Analista do ER Alto Tietê) que conseguiu montar este grupo com tanto êxito e também foi participante.

ü     Aos meus amigos facilitadores, Paulo Pato Vila e Antenor, que apesar de não serem orientais, incorporaram nosso jeito de ser e saíram tão “japoneses” quanto nós. Valeu pela dedicação, comprometimento e profissionalismo

ü     Minhas guerreiras: Cássia, Érika, Emi, Márcia, Marisa, Marli, Mayumi, Roberta, Silvia e Tatiana. Mulheres que descobriram uma força e um potencial enorme de realização, que ganharam prêmios, se desafiaram, fizeram coisas que nunca imaginaram ser possível. Mostraram para si mesmas que são mães, esposas, empreendedoras e acima de tudo, MULHERES, muito especiais.

ü     Meus guerreiros: Koji, Eidi, Fábio, Fernando, Gerson, Henri, Jaques, Toya, Ratão, Tofu, Eguchi, Roberto, Sussumu, Sérgio, Torao, Wiliam e Wilson. Homens que foram em busca de novos desafios e verificaram o quanto podem realizar, que nos fizeram rir e também chorar e que demonstraram uma enorme capacidade de ajudar uns aos outros nos momentos mais difíceis.

 

Foi um seminário de muitas histórias que todos nós guardaremos em nossas lembranças mais ternas.

 

Um grande beijo no coração de todos e muito sucesso nessa jornada empreendedora!

 

Filme: “Tá dando onda”

Tá dando ondaHoje, trago, na realidade, um desenho que assisti neste fim de semana por causa da minha filha de 2 anos. Fomos à locadora e ela é alucinada por pinguins, quando viu a capa do DVD ficou maluca e resolvi trazer.

Eu, particularmente, adoro desenhos, mas como tinha muitas coisas para resolver, decidi não assistir, porém como estava no computador e a TV nas minhas costas, acabei ouvindo alguns diálogos que me interessam e… muito!

A estória é de um pinguim chamado Cadu que queria ser um surfista muito famoso como seu ídolo que se chamava Big Z, principalmente porque quando era criança, Big Z foi até onde morava, lhe deu uma corrente e disse para ele correr atrás do que desejava, pois era isso que um vencedor fazia.

Cadu depois de muita luta conseguiu ser levado por um caça-talentos, um pássaro aparentemente durão, porém todo emotivo, chamado Mike; para o campeonato de surf.

Na viagem, Cadu faz amizade com João Frangão que curte a vida como poucos.

Cadu encontra Big Z que todos consideravam como morto e verifica que seu ídolo não seguiu o que um dia lhe disse: “corra atrás do que deseja” e isso o frustra muito.

Porém, Cadu resolve buscar seus sonhos, precisa competir com o desleal Tanker e acaba descobrindo que ser vencedor é muito mais que ganhar uma competição.

Em uma parte do filme, alguns integrantes do filme são entrevistados e questionados o que é ser um vencedor? Mike diz que é alguém que estabelece uma meta e vai à luta, não faz isso nem pela grana e nem pela glória, mas faz pela alegria, pela emoção.

Lani, uma pinguim salva-vidas diz que é o surfista que curte mais quando tá no mar.

Os pinguins bebês dizem que é alguém que não os derruba quando estão pegando onda e Tanker (o pinguim do mal) diz que é ter perdedores, pois sem eles não existe um vencedor.

O que eles disseram, apesar de se referirem ao campeonato de surf, tem tudo a ver com o mundo empresarial, pois como já tratei em vários momentos em meu blog,  o empreendedor precisa ter uma meta estabelecida para saber onde deseja chegar.

É uma pessoa persistente, pois nem sempre as coisas são fáceis, busca a realização acima de tudo que lhe dá prazer e satisfação. Normalmente, curte cada etapa cumprida e cada meta alcançada.

Ao contrário do que Tanker diz, não precisa tornar as pessoas perdedoras, sua competição é interna, quer mostrar para si mesmo que pode alcançar o que deseja e não precisa derrubar seus concorrentes e nem humilhar seus fornecedores.

Enfim, vencer é buscar uma constante melhoria dos processos e pessoas, realização, prazer e resultados.

Assista ao filme, acho que você vai gostar!!!

Tudo na vida tem seu preço…

Encontrei essa parábola e acredito estar muito ligada à nossa vida empreendedora.

“Era uma vez um rei, que vivia bastante inquieto e constantemente se questionando onde residia o verdadeiro sentido da vida. Convocou os sábios e súditos do seu reino e deu-lhes a seguinte missão:

– Pesquisem, estudem, leiam, escrevam, sintetizem, no tempo que lhes for necessário, e tragam pra mim qual o verdadeiro sentido da vida de um ser humano.

Sentindo o peso da responsabilidade que o rei lhes havia incumbido, isolaram-se, durante vários anos e, finalmente, retornaram, levando-lhe vários livros. O rei sequer pegou nos livros e disse:

– Certamente, o sentido da vida não pode ser assim, tão complexo. Voltem e tragam algo mais simples, mais objetivo.

Desolados, eles saíram da presença do rei e, poucos meses depois, retornaram. Desta feita, trazendo apenas um livro. Mais uma vez, o rei disse que queria algo mais objetivo, direto.

Decepcionados, mais uma vez foram tentar cumprir a missão que o rei lhes havia designado. Uma semana depois, retornaram, todos felizes e entusiasmados, trazendo apenas um pedaço de papel, que estava escrito o seguinte:

NÃO EXISTEM ALMOÇOS GRÁTIS!

O rei disse:

– Finalmente, vocês acertaram! Nada na nossa vida é de graça; tudo tem um preço, um investimento, uma parcela de dedicação e sacrifício. O sentido da vida de um homem, portanto, reside nele buscar e conquistar as suas realizações, os seus objetivos e, com isso, ser motivado, produtivo e feliz.”

Quando decidimos empreender, encontramos muitos obstáculos que precisamos superar porque nossa motivação para a realização é muito maior.

Hoje, conversando com um amigo, ele me disse que muitas pessoas dizem: “Nossa, você tem tão pouco tempo com essa empresa, mas está tão bem!”. Porém, o que as pessoas esquecem que há 10 anos ele vem construindo tudo o que está colhendo hoje e isso exigiu e exige muita dedicação e persistência, pois nada vem fácil, mas traz uma grande satisfação quando se alcança seus sonhos.

Filme: “De porta em porta”

De porta em portaMais uma história real de um homem com paralisia cerebral que apesar de todos os problemas e preconceitos recebeu o prêmio de melhor vendedor dos Estados Unidos.

Bill Porter, incentivado por sua mãe que sempre o tratou como qualquer outra pessoa, foi em busca de um emprego, ser vendedor. Inicialmente, foi recusado, mas não desistiu e ganhou uma área que ninguém queria atuar pela dificuldade em realizar vendas.

E lá foi Bill, batendo de porta em porta, recebendo “nãos”, sendo discriminado por uns, até que consegue fazer sua primeira venda.

Foi a primeira de inúmeras e qual a receita de Bill? Entender as necessidades dos clientes, ouvir legitimamente, quebrar todo e qualquer tipo de preconceito, tornando-se com o passar do tempo, o “amigo” vendedor que dava conselhos, era o ombro amigo que aparecia nos momentos de tristeza e angústia.

Apesar da deficiência, Bill não se sentia diferente e não gostava que o tratassem como um deficiente, ele era uma pessoa que podia trabalhar e se desenvolver, mesmo com a perda da mãe não se deixou abater.

Os anos passam e com a vinda da tecnologia, o sistema de vendas muda e Bill não consegue se adaptar, pois acredita que a venda é uma arte, que deve ser feita olho no olho. Sendo assim, Bill resolve deixar a empresa. Mas, por pouco tempo…

É uma grande história de superação e persistência que nos faz refletir que muitas vezes temos todos os recursos necessários e nos deixamos abater por pequenas coisas, mas além disso trata de um assunto relevante para qualquer empresa, como tratar nossos clientes e transformá-los em nosso fãs.

Primeiro, temos que ouvir os clientes para conhecê-los melhor, pois muitas vezes eles não nos dizem claramente sobre suas necessidades, mas se prestarmos atenção no que dizem, podemos buscar novas oportunidades de negócios, afinal ofereceremos produtos e serviços mais adequados.

Segundo, não devemos nos preocupar em apenas fazer uma única venda, mas em manter essa relação comercial ao longo do tempo. E como fazer isso? Ligue para o cliente apenas para bater um papo. Passe apenas para dar um “olá”, mesmo sabendo que ele não comprará nada. Deixe a porta sempre aberta. Não seja aquele vendedor que quando seu cliente compra, fica com um grande sorriso e se ele não compra nada, fica emburrado. Quem é que gosta de um ser desse jeito?

Transformar clientes em fãs, é fazer com que eles te indiquem a outras pessoas, é fazer com que você faça parte do seu dia-a-dia, é te transformar em referência para outras pessoas. 

Filme: “O Céu de Outubro”

O Céu de OutubroQuer saber exatamente o que é formar uma visão de futuro? Assista a esse filme.

Um clássico, de grande magia que nos faz pensar nos sonhos de adolescentes que deixamos para trás, dos conflitos familiares, da aceitação do grupo, do incentivo de professores.

O personagem central do filme carrega vários comportamentos empreendedores: visão de futuro, proatividade, não tem aversão aos riscos, planejamento, autoconfiança, qualidade, eficiência, persuasão, busca de informações, persistência e comprometimento.

E como todo empreendedor, consegue transformar a vida de toda a comunidade que vivia à sua volta, gerando novas oportunidades, esperança e ação. Não só atinge seus sonhos, mas permite que outras pessoas por meio deles possam buscar os seus, obtendo uma maior autoconfiança.

É um filme baseado em uma história real e por isso se torna muito mais emocionante.

Assista… você não se decepcionará e talvez, fará com que você veja e reveja alguns de seus sonhos e crie coragem de ir em busca deles.