Quem quer ser um Milionário ?

by TeuControle.com

slide1

quem-quer-ser Este post é para falar sobre a vontade de todos de se tornar um milionário, de poder viver sem a preocupação da falta de dinheiro.Para encontrar este caminho de “ser milionário”, um dos primeiros itens é ter disciplina e saber que o crescimento financeiro é um degrau por dia, ou se ganhar na loteria pode pular alguns degraus, mas aí é sorte. Se for na Mega-Sena com 06 números, a probabilidade é de 1 em 50 milhões.

Mas voltando à disciplina. É um hábito, se você deseja tê-lo, tem que praticar e praticar constantemente com muita persistência até que entre no automático, ou seja, vire rotina.

Um dos fatores que contribuem para manter uma disciplina é ter um objetivo. É saber porque está gastando, investindo ou guardando dinheiro.

Pense bem: o dinheiro em si não traz felicidade, mas sim as coisas que realizamos por meio dele. Uma frase que gosto é “porque bobo quer dinheiro? ” –  enquanto não tivermos a noção do que realizar com o dinheiro, seremos bobos, pois gastamos desenfreadamente e sem propósito.

Então chega de falação e vamos à ação “Quem quer ser milionário? ” – Vamos criar o caminho da prosperidade. Lembre-se sempre: “é você, no controle das suas finanças”.

Primeiro passo é saber o que quer? Seja específico, descreva com exatidão o que deseja: um carro, uma casa, uma viagem, um curso etc. Use o espaço abaixo e escreva…

especifico Específico:

Segundo Passo é saber o valor do que se quer. Faça uma pesquisa baseada no lançamento dos dados do específico, quanto mais específico, mais perto do valor real do que se quer, a pergunta chave é quanto custa? Escreva o valor no espaço abaixo…

dolar Valor:

Terceiro Passo é começar a planejar como irá adquirir o bem ou serviço. A pergunta é “Como fazer” – concentre-se nas atividades, faça uma divisão das atividades em tarefas e compromissos e sempre com data para a execução. Utilize a tabela abaixo como referência para criar as atividades.

Lista de tarefas Data execução   Compromissos Data Início Término

 Quarto Passo é um dos mais importantes, é o que nos move a executar as atividades planejadas, “o por quê” – qual é a importância disso para mim, neste item digo que é a sua motivação. Se não tem um propósito bem relevante, aqui acaba seu planejamento, ou pior, seu sonho. Então descreva com poucas palavras um acordo com você mesmo. Seja verdadeiro…

pense Propósito:

Quinto e último passo, a data de realização, a pergunta é “Quando?”, qual a data que terminarei, quando irei comemorar o meu êxito, baseado nesta data você pode construir todo o terceiro passo. Coloque uma data final que pode mudar, de acordo com a evolução das atividades, o que não pode mudar é o propósito. Então, quando irá celebrar…?

celebre Celebração:

As pessoas bem-sucedidas criam condições favoráveis em buscar uma vida melhor, atrelada a um bom planejamento financeiro, mas as condições só mudam se você desejar mudar.

michelangelo Já dizia Michelangelo:“O problema com a maioria não está em mirar alto e acertar, mas em mirar baixo e acertar.

Seja ambicioso, não ganancioso! A ambição muitas vezes é a chave que faz com que se movimente e busque realizar seus sonhos.

Dê valor ao seu dinheiro, ele consome boa parte do seu tempo, então utilize os passos acima e crie um caminho próspero, vivendo o que realmente é importante e necessário e fuja do supérfluo.

O TeuControle.com pode te ajudar nesta caminhada, pois só se caminha com segurança financeiramente pensando sempre que é “você, no controle das suas finanças”.

Se gostou compartilhe com seus amigos e nos siga no logo-face

Até o próximo post.

Equipe TeuControle.com

Quero sair do vermelho!

porco-mvf

Parceiro da Fábrica de Empreendedores o TeuControle.com é um sistema que te ajuda a organizar e planejar o seu dia a dia nas finanças. Confira o post que separamos para você!.

Quero sair do vermelho!

Hoje, o que mais escutamos na mídia, nos bate-papos no trabalho ou fora dele é que as pessoas estão no vermelho ou estão prestes a entrar nele.

Com o ano acabando as dificuldades aumentam, pois é renovação de mensalidade escolar, é a chegada do final do ano onde os gastos com presentes aumentam, as cobranças sobre inadimplências obtidas durante o ano aumentam, ou seja, preocupações e mais preocupações.

E contar com o 13º salário para quem é empregado, muitas vezes é contar com algo que já está comprometido.

Este post é para dar algumas dicas para sair ou não entrar no vermelho. São elas:

  1. O primeiro passo é entender qual é o montante da dívida, não é só o valor que importa, mas quanto tempo e para quem está devendo. Faça uma lista priorizando pelo tempo da dívida;
Valor da Dívida Tempo da Dívida Para quem deve?
 

 

  1. Agora complete esta lista com as receitas (salário, aluguel, receitas extras), despesas fixas (aluguel, condomínio, contas de luz etc.) e agora os gastos variáveis (restaurante, mercado, cuidados pessoais). Com esses dados chegou a hora de fazer uma análise para definir o que você pode cortar, diminuir ou zerar os gastos;

 

Receitas

Despesas Fixas Gastos Variáveis Valor da Dívida Tempo da Dívida

Para quem deve?

 
 

 

O TeuControle pode te ajudar a colocar suas contas em dia. É só transferir esses dados da tabela e os gráficos irão orientá-lo a tomar uma decisão.

  1. Observe a tabela e priorize as dívidas mais altas e que cobram mais juros (cartão de crédito, cheque especial etc.). A partir do momento que você prioriza, observe qual a dívida que deve ser negociada primeiro, evitando uma bola de neve sem controle;
  2. Com os valores em mãos e com as taxas aplicadas a cada dívida, verifique se não existe no mercado modelos de créditos que cobram menos juros, como o empréstimo consignado ou crédito pessoal, assim você pode quitar um cartão de crédito que tem juros altos e ter uma dívida com juros menores;
  3. A palavra-chave neste momento é renegociar dívidas com credores, mas para negociar dívida também tem que ter um bom planejamento. Faça uma proposta real, de acordo com suas possibilidades financeiras, deixe claro que você quer uma negociação boa para ambos os lados, não prometa nada que não possa cumprir;
  4. Não basta apenas renegociar as dívidas, você precisa ter controle sobre os gastos, como dizemos no TeuControle “…é você, no controle de suas finanças”. Você precisa mudar os hábitos de consumo e a forma como lida com seu dinheiro. Elimine, nem que seja por um tempo, assinaturas de revistas que não lê, academia que nunca vai, compras por impulso entre outras. Com a tabela fica mais fácil de identificar onde estão esses custos e assim diminui-lo ou eliminá-lo;
  5. Agora o mais importante do processo é começar a pensar em uma reserva, com planejamento, organização e o TeuControle pode ajudá-lo no financeiro e no corte de gastos. Sair do vermelho é possível, não gaste mais do que ganha, faça reserva poupando ou investindo, eliminando gastos desnecessários e buscando o equilíbrio mensal ou diário das suas finanças.

Gerencie suas finanças com equilíbrio e sabedoria e viva uma vida com mais segurança financeira. É você, no controle das suas finanças.

Até o próximo post.

Equipe TeuControle

Trabalho não mata, o que mata é a raiva!

Achei brilhante essa frase dita pelo Dr. Roberto Kalil que participa do Programa Bem Estar da Globo, segundo ele quem disse isso é o Dr. Adib Jatene.

Ele citou essa frase depois de questionado se o estresse por causa do trabalho pode ocasionar a pressão alta.

A palavra “trabalho” vem do latim tripalium que era um instrumento de tortura sustentado por três estacas. Se pensarmos no sentido etimológico da palavra, quer dizer que trabalhar significa ser torturado, sofrer. Se considerarmos isso, podemos afirmar que o trabalho “pode” matar, mas só “se” você quiser e deixar.

Não discorrerei aqui sobre o aspecto médico que não é minha especialidade, mas utilizarei isso para falar sobre o que vejo acontecendo nas empresas.

Em todos os treinamentos, encontro funcionários descontentes (quase todos) com as horas excessivas de trabalho, cobranças dos chefes, pressão para atingir resultados, acúmulo de trabalho (poucos funcionários para muitas atividades).

Ao conversar com eles durante os coffee-breeaks ou almoços, questiono se já conversaram com seus superiores, negociaram com seus pares, delegaram atividades para outras pessoas e muitos respondem: “Não adianta… nada muda… nem perco meu tempo…”.

E com isso, vão guardando o sentimento de raiva que vai corroendo pouco a pouco sua autoestima, sua percepção da realidade, a busca pelos seus sonhos.

Mas será que essa raiva é sentida pelos outros ou é por si próprio, por não conseguir agir e tomar uma decisão?

É comum, terceirizarmos responsabilidades (o fulano deixou de fazer, o sicrano é assim), mas o quanto somos capazes de assumir as nossas incompetências, erros e impossibilidades?

O trabalho por si só não mata, mas a angústia, a raiva, a frustração fará com que você se desequilibre emocionalmente. Por exemplo, se você começa a ter insônia, provavelmente tudo o deixará irritado, começará a discutir com as pessoas, perderá a fome e consequentemente, começarão problemas físicos: enxaquecas, gastrites, pressão arterial elevada etc.

Se o chefe ou um colega de trabalho te deixa “raivoso”, questione sobre o que você pode mudar nessa situação. Conversar com ele de forma franca? Mudar seu comportamento? Buscar uma oportunidade em outra área ou outra empresa?

Mudar os outros, não conseguiremos; mas, construir e seguir o nosso caminho está apenas nas nossas mãos!

Texto: “Trabalho e Vida”

Encontrei este texto no meu arquivo, infelizmente, não tem o autor, mas nos faz refletir sobre mudanças e opções de vida.

O que você prefere: ser um sucesso em algo que odeia ou um fracasso em algo que ama?
Essa tem sido uma pergunta cada vez mais freqüente no ambiente de trabalho.
Muita gente está em cargos e funções que, se pudesse realmente escolher, não estaria.
Mas como precisam de dinheiro e da segurança, ficam lá.
Pergunta: que tipo de resultado será que teremos numa empresa onde a maioria das pessoas não ama realmente o que faz?
Todo mundo concorda que as empresas vencedoras precisam de pessoas que vistam a camisa e estejam realizadas no trabalho.
Este não é um novo conceito.
Mas é uma das regras mais desrespeitadas do mundo corporativo.
Existem milhares de pessoas inteligentes, com habilidades e talentos completamente desperdiçados pela falta de motivação.
Andam com o freio de mão puxado, inseguras de sua posição no mundo, sem contribuir nem produzir nem 25% do que seriam capazes.
Acho que as pessoas já começam na carreira muitas vezes de forma errada.
As empresas estão acostumadas a pensar em termos de oportunidades.
Na nossa vida pessoal, temos que começar a pensar diferente: “O que quero fazer da
minha vida?”.
Citando Eduardo Galeano, somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.
Vejo muita gente falando de planejamento de carreira.
Pessoalmente, acho isso uma tremenda bobagem, pois resulta numa vida quadradinha, cartesiana.
Acho que foi Helen Keller quem disse “Evitar o perigo não é mais seguro do que viver exposto a ele. A vida é uma grande aventura, ou então não é nada”.
Essas pessoas podem até conseguir o sucesso financeiro e social, mas é tudo fachada.
Por dentro estão destruídas, consumidas internamente por um sentimento que insiste em fustigá-las sem trégua.
É a dúvida mais atroz que existe: se teoricamente tenho tudo para ser feliz, porque não sou?
Felizmente existe uma saída.
Ao invés de se concentrar no que virá depois, concentre-se no que é mais importante. Como disse certa vez um sábio, preocupe-se mais com o seu caráter do que com sua reputação, porque sua reputação é o que os outros pensam de você, e o seu caráter é quem você realmente é.
Na verdade, o trabalho certo para você deveria ser mais parecido com a vida de verdade: às vezes divertido, às vezes agitado, muitas vezes frustrante.
Você sabe que encontrou algo que realmente ama quando as contrariedades parecem superficiais e fáceis de contornar.
São pequenos obstáculos, que você usa como degraus para o sucesso.
Ainda temos o conceito errado de que todo trabalho deve ser desafiador, divertido, revigorante.
Todos os dias!
Como se isso fosse realmente possível.
Mesmo estrelas de rock ficam cansadas de apresentar-se todas as noites para milhares de pessoas.
As pessoas que realmente amam seu trabalho raramente falam de como ele é emocionante ou desafiador.
Usam termos mais profundos: significado, sensação de bem-estar, realização.
Para as pessoas que amam o que fazem, trabalho e vida pessoal estão irremediavelmente juntos, não existe uma coisa sem a outra.
É tudo uma vida apenas.
Como disse Goethe: “A pessoa que nasceu com um talento que estava destinado a usar encontra sua maior felicidade ao usá-lo”.
Estamos todos escrevendo todos os dias a história da nossa própria vida.
Não é uma história de conquistas, mas sim de descobertas.
Através de erros e acertos descobrimos qual a verdadeira contribuição que podemos dar ao mundo.
Assim, descobrimos que o que no começo parece um grande salto audacioso é apenas um pequeno passo em relação ao futuro.
Então da próxima vez que for aceitar um desafio, não pergunte “O que vou fazer?” mas sim “Em que tipo de pessoa vou me transformar?”.
Porque só existe uma opção: ou você ama o que faz, ou não ama.

Filme: “O Diabo veste Prada”

O Diabo veste PradaA estória se passa no mundo glamouroso da moda onde Miranda Priestly é a editora poderosíssima de uma revista de moda, a Runway Magazine. Ela é temida e admirada ao mesmo tempo, altamente exigente, ditadora e centralizadora, para alguns o próprio diabo. Nunca agradece, nunca reconhece, acredita que as pessoas que trabalham com ela devem adivinhar seus próximos passos.

Andrea Sachs é uma jovem jornalista que deseja uma oportunidade em Nova Iorque e apesar de ser totalmente fora dos padrões vigentes da moda, não é magérrima, não se importa com o estilo de roupas que veste e não conhece nada sobre os grandes estilistas, consegue um emprego como assistente de Miranda.

Andrea sofre muitas humilhações, mas com a ajuda de Nigel, o diretor de moda da revista, acaba se transformando em uma profissional elegante e bem-vestida e assim, unindo à sua competência acaba despertando a admiração de Miranda, que vê a assistente como a si própria e dá a ela a oportunidade de se tornar sua assistente principal e ir para a Semana de Moda em Paris para assessorá-la.

Porém, nem tudo é alegria para Andrea, pois passa a ficar à disposição de Miranda 24 horas por dia, tanto para trabalhos profissionais quanto pessoais, por exemplo, fazer a lição de casa das filhas gêmeas de Miranda. Com isso, começa a ter conflitos com seu namorado e amigos que acreditam que Andrea mudou muito e não a reconhecem mais. Acaba em pró do trabalho, matando seu próprio eu.

Andrea sempre se desculpa com todos dizendo que “não tenho opção” e por isso tem que fazer coisas que não gostaria, até que a própria Miranda lhe diz que tudo é uma opção, seguir ou não, já é uma forma de opção. Nesse momento, Andrea toma uma decisão… agora acho que é melhor você assistir ao filme.

Já cansei de encontrar executivos e empreendedores muito parecidos com Miranda, autoconfiantes até beirando à arrogância, competentes, focados e reconhecidos como padrão de sucesso profissional. Porém, fora desse ambiente são pessoas solitárias, tristes, que há muito mataram seu próprio eu para se dedicarem totalmente à sua empresa.

Essas pessoas, normalmente, têm uma visão muito clara de futuro para a empresa, um planejamento maravilhoso, uma equipe dedicada para atingir os resultados.

Mas quando questionadas o que desejam para seu futuro, elas conseguem apenas se referir à empresa, esquecem que são pessoas que um dia já tiveram seus sonhos pessoais. E se um dia elas acordarem e se depararem com o fato de que a empresa não as quer mais? O que será de suas vidas?

Saber o que você deseja para si é o que dá sentido para seu trabalho, mesmo que seja árduo. Não adianta trabalhar tanto se você não sabe o que isto lhe trará a longo prazo para sua vida pessoal. Até porque conheço muito pouca gente que diz que trabalha porque ama trabalhar, grande parte trabalha para conquistar seus sonhos, tais como, uma viagem, uma casa, um carro, um curso.

Também como Andrea que sempre dava a desculpa de que tinha que fazer tudo aquilo, pois não tinha opção; muitas pessoas sempre se desculpam da mesma forma, são levadas pelas metas de outras pessoas, não dirigem sua própria vida, se deixam guiar, até que um dia se deparam com um grande vazio, pois quando sozinhas, não sabem o que fazer, afinal precisam de que outras pessoas digam o que deve ser feito.

Em um momento do filme, Nigel espera uma grande oportunidade profissional, porém Miranda para não perder seu posto de editora, consegue fazer uma troca com o posto que Nigel assumiria e ele apesar de frustrado diz que ela saberá recompensá-lo no momento certo.

Existem muitos Nigels pela vida que são super competentes, porém ficam a espera de uma recompensa, pois acreditam que um dia virá e o tempo passa e nada acontece, pessoas se desenvolvem, são promovidas e os “bonzinhos” Nigels vão ficando pelo caminho.

E você? É mais parecida com uma Miranda, uma Andrea ou um Nigel? Reflita e busque traçar seu destino e jornada!

 

Em busca do equilíbrio – família e trabalho

Tenho uma filha de 2 anos e nesse momento que escrevo este post, ela dorme o mais profundo dos sonos e por isso, resolvi trabalhar, afinal, normalmente durante a semana ela passa na casa dos avós paternos ou maternos e hoje, resolvi tirar o dia para ficar e brincar com ela.

Sempre fui uma workaholic (acredito que ainda sou, mas estou melhorando). Já virei noites trabalhando e isso nunca foi causa de stress, até que gosto de uma pressão, afinal a vida é assim.

Até no dia anterior ao seu nascimento, trabalhei sem descanso, me dedicando exclusivamente ao meu desenvolvimento profissional, porém, no dia em que ela veio ao mundo, tive que tirar umas férias forçadas e isso me levou a rever vários pontos de minha vida e planejar como eu gostaria de ser e viver a partir desse momento.

Decidi vender o meu comércio que me tomava um tempo enorme e fazer, exclusivamente, o que amo de paixão, desenvolver e ministrar treinamentos, pois posso estar com minha filha por muito mais tempo e administro nossa agenda.

Consigo estar presente no seu aniversário (o dia todo), posso preparar as datas comemorativas para festejarmos juntas, vou à pediatra e à clínica para aplicar as vacinas, enfim, curto seu crescimento e vibro com cada nova aprendizagem e sei que estou fazendo parte integralmente de sua vida.

Quer dizer que virei mais mãe do que profissional? Grande engano! Hoje, preciso administrar muito melhor meu tempo para ser produtiva, pois nos momentos em que minha filha está com os avós ou dormindo, preciso me dedicar aos estudos, leituras e pesquisas para o desenvolvimento dos treinamentos e isso me torna mais alerta e ágil.

O grande questionamento em todos os treinamentos que ministro é como equilibrar família e trabalho, pois muitos acham impossível, dizem que trabalham muito, pois amam a família e querem o melhor para ela, mas a família não entende e reclama que passam muito pouco tempo juntos.

Se você faz parte desse time de “desequilibrados” pense em relação a algumas questões:

1. Você trabalha muito porque:

a) seu trabalho exige;

b) é desorganizado;

c) é do tipo “bonzinho” que todas as pessoas vêm pedir ajuda e não sabe falar “não”;

d) na realidade, ama o que faz e é onde encontra o maior prazer na vida.

Se você respondeu a, verifique se esse é o trabalho que você quer ter, caso contrário, está na hora de trocar de emprego ou de ter um outro negócio. Se você respondeu b, talvez está na hora de realizar um planejamento e buscar uma maior organização, provavelmente, conseguirá mais tempo disponível (visite www.triadedotempo.com.br). Se você respondeu c, enquanto você não aprender a dizer “não”, as pessoas vão embora mais cedo e você vai ficando… Se você respondeu d, nunca mais dê a desculpa de que você trabalha pela sua família, sejamos verdadeiros… você trabalha para VOCÊ! 

Vejo muitos pais que trabalham muito para proporcionar mais conforto e possibilidades para seus filhos e acreditam (eles acreditam mesmo!) que isso é suficiente, porém, em meus trabalhos com adolescentes, depois de muita conversa, observamos que eles estão cheios de “ter”, na realidades eles querem “ser”.

SER filho, SER ouvido, SER visto, SER cobrado, enfim, SER amado!

E para SER, precisam da companhia de seus pais, não 24 horas por dia, mas integralmente pelo menos por alguns minutos. O que quero dizer integralmente? Não é sair com seu filho para um passeio e ficar pendurado no celular resolvendo coisas do trabalho, não curtindo seu filho e passeio. Integralmente, quer dizer, talvez passar 15 minutos, conversando com seu filho sobre o dia dele, olhando nos olhos dele, prestando atenção no que diz, curtindo esse momento. Não é quantidade de tempo que você passa com sua família, mas a qualidade de tempo.

A busca do equilíbrio está em trabalhar em algo que você gosta (e assumir isso) e planejar seu tempo para estar com sua família, fazendo programas em que todos se divertam; tomar um sorvete, ir no shopping, assistir a um filme, jogar futebol, passear.

Não fique esperando ganhar 1 milhão, 200 mil, 10 mil para aproveitar sua família; pois pode ser que quando você chegar lá, ela não estará mais te esperando em casa.

Sucesso

Recebi o texto abaixo que segundo a fonte que me enviou disse que foi escrito por Nizan Guanaes para formandos da Faap. Achei fantástico e tem tudo a ver com nossa vida empreendedora, muitas vezes incompreendida por tantas pessoas e até mesmo por nós mesmos.

Dizem que conselho só se dá a quem pede. E, se vocês me convidaram para paraninfo, estou tentado a acreditar que tenho sua licença para dar alguns.

Portanto, apesar da minha pouca autoridade para dar conselhos a quem quer que seja, aqui vão alguns, que julgo valiosos.

Não paute sua vida, nem sua carreira, pelo dinheiro. Ame seu ofício com todo o coração. Persiga fazer o melhor. Seja fascinado pelo realizar, que o dinheiro virá como conseqüência.

Quem pensa só em dinheiro não consegue sequer ser nem um grande bandido, nem um grande canalha.

Napoleão não invadiu a Europa por dinheiro. Hitler não matou 6 milhões de judeus por dinheiro. Michelangelo não passou 16 anos pintando a Capela Sistina por dinheiro. E, geralmente, os que só pensam nele não o ganham. Porque são incapazes de sonhar.E tudo que fica pronto na vida foi construído antes, na alma.

A propósito disso, lembro-me de uma passagem extraordinária, que descreve o diálogo entre uma freira americana cuidando de leprosos no,Pacífico e um milionário texano. O milionário, vendo-a tratar daqueles leprosos, disse: “Freira, eu não faria isso por dinheiro nenhum no mundo”. E ela responde: “Eu também não, meu filho”.

Não estou fazendo com isso nenhuma apologia à pobreza, muito pelo contrário. Digo apenas que pensar e realizar, tem trazido mais fortuna do que pensar em fortuna.

Meu segundo conselho: Pense no seu País. Porque, principalmente hoje, pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si.

Afinal é difícil viver numa nação onde a maioria morre de fome e a minoria morre de medo. O caos político gera uma queda de padrão de vida generalizada. Os pobres vivem como bichos e uma elite brega, sem cultura e sem refinamento, não chega a viver como Homem. Roubam, mas vivem uma vida digna de Odorico Paraguassu.

Meu terceiro conselho vem diretamente da Bíblia: “seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito”. É exatamente isso que está escrito na carta de Laudiceia: seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito. É preferível o erro à omissão.O fracasso, ao tédio.O escândalo, ao vazio. Porque já vi grandes livros e filmes sobre a tristeza, a tragédia, o fracasso. Mas ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer, o remanso.

Colabore com seu biógrafo. Faça, erre, tente, falhe, lute.  Mas, por favor, não jogue fora, se acomodando, a extraordinária oportunidade de ter vivido.

Tendo consciência de que, cada homem foi feito para fazer história. Que todo homem é um milagre e traz em si uma evolução. Que é mais do que sexo ou dinheiro. Você foi criado para construir pirâmides e versos, descobrir continentes e mundos, e, caminhar sempre com um saco de interrogações na mão e uma caixa de possibilidades na outra.

Não use Rider, não dê férias a seus pés. Não se sente e passe a ser analista da vida alheia, espectador do mundo, comentarista do cotidiano, dessas pessoas que vivem a dizer: eu não disse!, eu sabia!

Toda família tem um tio batalhador e bem de vida. E, durante o almoço de domingo, tem que agüentar aquele outro tio muito inteligente e fracassado contar tudo que ele faria, se fizesse alguma coisa.

Chega dos poetas não publicados. Empresários de mesa de bar. Pessoas que fazem coisas fantásticas toda sexta de noite, todo sábado e domingo, mas que na segunda não sabem concretizar o que falam.Porque não sabem ansiar, não sabem perder a pose, porque não sabem recomeçar.

Porque não sabem trabalhar. Eu digo: trabalhem, trabalhem, trabalhem. De 8 às 12, de 12 às 8 e mais se for preciso.

Trabalho não mata.. Ocupa o tempo. Evita o ócio, que é a morada do demônio, e constrói prodígios.

O Brasil, este país de malandros e espertos, da vantagem em tudo, tem muito que aprender com aqueles trouxas dos japoneses. Porque aqueles trouxas japoneses que trabalham de sol a sol construíram, em menos de 50 anos, a 2ª maior megapotência do planeta, enquanto nós, os espertos, construímos uma das maiores impotências do trabalho.

Trabalhe! Muitos de seus colegas dirão que você está perdendo sua vida, porque você vai trabalhar enquanto eles veraneiam.  

Porque você vai trabalhar, enquanto eles vão ao mesmo bar da semana anterior, conversar as mesmas conversas, mas o tempo, que é mesmo o senhor da razão, vai bendizer o fruto do seu esforço, e só o trabalho lhe leva a conhecer pessoas e mundos que os acomodados não conhecerão.

E isso se chama sucesso.